Gentoo Linux amd64 Handbook: Installing Gentoo

From Gentoo Wiki
Jump to: navigation, search
This page is a translated version of the page Handbook:AMD64/Full/Installation and the translation is 100% complete.

Contents

Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Introdução

Bem-vindo

Em primeiro lugar, bem-vindo ao Gentoo. Você está prestes a entrar em um mundo de opções e performance. O Gentoo é todo sobre opções. Quando você estiver instalando o Gentoo isso é deixado claro muitas vezes -- os usuários podem escolher quanto do sistema querem compilar eles mesmos, como instalar o Gentoo, qual sistema de log usar, etc.

O Gentoo é uma distribuição veloz e moderna com um projeto limpo e flexível. O Gentoo é construído em torno de um ecossistema de software livre e não esconde de seus usuários o que está "sob o capô do motor". O Portage, o sistema de gerenciamento de pacotes utilizado pelo Gentoo, é escrito em Python, o que significa que o usuário pode facilmente ver e modificar o código fonte. O sistema de pacotes do Gentoo usa código fonte (mas o suporte para pacotes pré-compilados também é incluído) e a configuração do Gentoo é feita através de arquivos texto comuns. Em outras palavras, tudo acontece de forma muito clara e aberta.

É muito importante que todos entendam que são as escolhas que movem o Gentoo. Nós tentamos não forçar os usuários em nada que eles não gostam. Se alguém pensa ao contrário, por favor, reporte o bug.

Como a instalação é estruturada

A instalação do Gentoo pode ser vista como um procedimento de 10 passos, correspondendo ao conjunto dos próximos capítulos. Cada passo resulta em um certo estado:

Passo Resultado
1 O usuário está em um ambiente pronto para instalar o Gentoo
2 A conexão com a Internet está pronta para instalar o Gentoo
3 Os discos rígidos estão inicializados para receber a instalação do Gentoo
4 O ambiente de instalação está preparado e o usuário pronto para fazer chroot no novo ambiente
5 Os pacotes básicos, que são os mesmos em qualquer instalação do Gentoo, estão instalados
6 O kernel Linux está instalado
7 O usuário tem configurado a maior parte dos arquivos de configuração do sistema Gentoo
8 As ferramentas necessárias do sistema estão instaladas
9 O gerenciador de boot adequado foi instalado e configurado
10 O recém instalado ambiente do Gentoo Linux está pronto para ser explorado.

Sempre que é apresentada uma escolha a ser feita, o manual tentará explicar quais são os prós e contras de cada escolha, Apesar do texto continuar a partir de uma escolha default (identificada com "Default: " no título), as outras possibilidades serão também documentadas (marcadas como "Alternativa: " no título). Não pense que a escolha default é a recomendada pelo Gentoo. É apenas o que o Gentoo acredita que a maioria dos usuários irá usar.

Às vezes um passo opcional pode ser seguido. Tais passos são marcados com "Opcional: " e são, dessa forma, não necessários para instalar o Gentoo. Entretanto, alguns passos opcionais são dependentes de alguma escolha previamente feita. As instruções informarão ao leitor quando isso acontecer, tanto quando a decisão for feita e logo antes do passo opcional ser descrito.

Opções de Instalação do Gentoo

O Gentoo pode ser instalado de muitas maneiras. Ele pode ser baixado e instalado a partir de uma da mídias oficiais de instalação como nossos CDs e DVDs. A mídia de instalação pode ser colocada em um pendrive ou acessada via boot pela rede. Como alternativa, o Gentoo pode ser instalado de uma mídia não oficial como uma distribuição já instalada ou um disco de boot não-Gentoo (como o Knoppix).

Este documento cobre a instalação usando a mídia de instalação oficial do Gentoo ou, em certos casos, netbooting.

Nota
Para ajuda com outras abordagens de instalação, incluindo o uso de CDs não-Gentoo, por favor leia o Guia de instalação alternativa.

Também provemos o documento Dicas & truques de instalação do Gentoo que pode ser de utilidade ler também.

Problemas

Se for encontrado um problema na instalação (ou na documentação de instalação), por favor visite nosso sistema de rastreamento de bugs e verifique se é um problema já conhecido. Se não for, por favor, crie um relatório do bug para o problema de modo que possamos resolvê-lo. Não tenha medo dos desenvolvedores para os quais os bugs são designados -- eles (geralmente) não comem pessoas.

Note que, apesar deste documento ser específico para uma arquitetura, ele pode conter referências para outras arquiteturas também. Isso é devido ao fato de que grande parte do Manual do Gentoo usa código fonte comum para todas as arquiteturas (a fim de evitar duplicação de esforços e escassez de recursos de desenvolvedores). Tentaremos manter isso ao mínimo para evitar confusão.

Se houver alguma incerteza sobre um problema ser ou não um problema do usuário (algum erro cometido apesar de ter lido a documentação cuidadosamente) ou um problema do software (algum problema causado por nós, apesar de termos testado a instalação/documentação cuidadosamente) todos são bem vindos ao canal #gentoo no irc.freenode.net. É claro que todos são bem vindos de qualquer forma uma vez que o canal de bate-papo abrange todo espectro do Gentoo.

Falando nisso, se houver qualquer questão adicional sobre o Gentoo, cheque o artigo Perguntas Frequentemente Feitas (FAQs). Também há FAQs nos Fóruns do Gentoo.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Requisitos de Hardware

Antes de começar, listamos os requisitos de hardware necessários para instalar o Gentoo em uma máquina amd64:


Minimal CD LiveDVD
CPU Any AMD64 CPU or EM64T CPU (Core i3, i5, and i7 are EM64T)
Memory 256 MB 512 MB
Disk space 2.5 GB (excluding swap space)
Swap space At least 256 MB

A Página do projeto Gentoo AMD64 é um bom lugar para maiores informações sobre o suporte do Gentoo ao amd64.


Mídia de instalação do Gentoo Linux

CD de instalação mínima

Note
As of April 20, 2017 the official Minimal CDs are incapable of booting in UEFI mode. They boot in BIOS (MBR) mode only. Readers looking to make their system UEFI bootable must download the latest Hybrid ISO (LiveDVD).

The Gentoo minimal installation CD is a bootable image which contains a self-sustained Gentoo environment. It allows the user to boot Linux from the CD or other installation media. During the boot process the hardware is detected and the appropriate drivers are loaded. The image is maintained by Gentoo developers and allows anyone to install Gentoo if an active Internet connection is available.

O CD de instalação mínima é chamado install-amd64-minimal-<release>.iso.

O LiveDVD ocasional do Gentoo

Ocasionalmente, um DVD especial é criado pelo projeto Gentoo Ten que pode ser utilizado para instalar o Gentoo. As instruções a seguir deste capítulo tem como alvo o CD de Instalação Mínima então elas podem ser um pouco diferentes. Entretanto, o LiveDVD (ou qualquer outro ambiente Linux bootável) suporta obter um prompt do root apenas executando sudo su - ou sudo -i em um terminal.

O que são os stages então?

A stage3 tarball is an archive containing a minimal Gentoo environment, suitable to continue the Gentoo installation using the instructions in this manual. Previously, the Gentoo Handbook described the installation using one of three stage tarballs. While Gentoo still offers stage1 and stage2 tarballs, the official installation method uses the stage3 tarball. If you are interested in performing a Gentoo installation using a stage1 or stage2 tarball, please read the Gentoo FAQ on How do I install Gentoo using a stage1 or stage2 tarball?

Stage3 tarballs can be downloaded from releases/amd64/autobuilds/ on any of the official Gentoo mirrors. Stage files update frequently and are not included on the installation images.

Downloading

Obtain the media

The default installation media that Gentoo Linux uses are the minimal installation CDs, which host a bootable, very small Gentoo Linux environment. This environment contains all the right tools to install Gentoo. The CD images themselves can be downloaded from the downloads page (recommended) or by manually browsing to the ISO location on one of the many available mirrors.

Se baixar de um dos espelhos, os CDs mínimos de instalação podem ser encontrados da seguinte forma:

  1. Vá para o diretório releases/
  2. Selecione o diretório da arquitetura destino relevante, tal como amd64/.
  3. Selecione o diretório autobuilds/
  4. Para as arquiteturas amd64 e x86, selecione ou o diretório current-install-amd64-minimal/ ou current-install-x86-minimal/ (respectivamente). Para todas as outras arquiteturas, selecione o diretório current-iso/.
Nota
Algumas arquiteturas tais como arm, mips e s390 não têm disponíveis CDs mínimos de instalação. No momento, o Projeto de Engenharia de Lançamentos do Gentoo não tem suporte para a criação de arquivos .iso para essas arquiteturas.

Inside this location, the installation media file is the file with the .iso suffix. For instance, take a look at the following listing:

CODE Lista com exemplo de arquivos que podem ser baixados em releases/amd64/autobuilds/current-iso/
[DIR] hardened/                                          05-Dec-2014 01:42    -   
[   ] install-amd64-minimal-20141204.iso                 04-Dec-2014 21:04  208M  
[   ] install-amd64-minimal-20141204.iso.CONTENTS        04-Dec-2014 21:04  3.0K  
[   ] install-amd64-minimal-20141204.iso.DIGESTS         04-Dec-2014 21:04  740   
[TXT] install-amd64-minimal-20141204.iso.DIGESTS.asc     05-Dec-2014 01:42  1.6K  
[   ] stage3-amd64-20141204.tar.bz2                      04-Dec-2014 21:04  198M  
[   ] stage3-amd64-20141204.tar.bz2.CONTENTS             04-Dec-2014 21:04  4.6M  
[   ] stage3-amd64-20141204.tar.bz2.DIGESTS              04-Dec-2014 21:04  720   
[TXT] stage3-amd64-20141204.tar.bz2.DIGESTS.asc          05-Dec-2014 01:42  1.5K

No exemplo acima, o arquivo install-amd64-minimal-20141204.iso é o CD de instalação mínima. Mas, como podemos ver, existem outros arquivos relacionados:

  • A .CONTENTS file which is a text file listing all files available on the installation media. This file can be useful to verify if particular firmware or drivers are available on the installation media before downloading it.
  • A .DIGESTS file which contains the hash of the ISO file itself, in various hashing formats/algorithms. This file can be used to verify if the downloaded ISO file is corrupt or not.
  • A .DIGESTS.asc file which not only contains the hash of the ISO file (like the .DIGESTS file), but also a cryptographic signature of that file. This can be used to both verify if the downloaded ISO file is corrupt or not, as well as verify that the download is indeed provided by the Gentoo Release Engineering team and has not been tampered with.

Ignore os outros arquivos disponíveis por enquanto - eles serão vistos quando a instalação avançar. Baixe o arquivo .iso e, se quiser verificar o download, baixe o arquivo .DIGESTS.asc do .iso também. O arquivo .CONTENTS não precisa ser baixado uma vez que as instruções de instalação não farão mais referência a esse arquivo, e o arquivo .DIGESTS deve conter as mesmas informações que o arquivo .DIGESTS.asc, exceto que esse último também contém uma assinatura no seu início.

Verificando os arquivos baixados

Nota
Este é um passo adicional e não é necessárioa para a instalação do Gentoo Linux. Entretanto, ele é recomendado uma vez que assegura que o arquivo baixado não foi corrompido e que realmente foi provido pela equipe de Infraestrutura do Gentoo.

Através dos arquivos .DIGESTS e .DIGESTS.asc, a validade do arquivo ISO pode ser confirmada usando o conjunto certo de ferramentas. A verificação é normalmente feita em duas etapas:

  1. Primeiro a assinatura criptográfica é validade para se ter certeza que o arquivo de instalação é fornecido pela equipe de Engenharia de Lançamentos do Gentoo
  2. Se a assinatura criptográfica é válida, então o checksum é verificado para se comprovar que o arquivo baixado não foi corrompido

Verificando no Microsoft Windows

Em um sistema Windows as ferramentas adequadas para a verificação de checksums e assinaturas criptográficas provavalmente não estarão instaladas.

Para primeiro verificar a assinatura criptográfica, ferramentas tais como o GPG4Win podem ser usadas. Após a instalação, as chaves públicas da equipe de Engenharia de Lançamento do Gentoo precisam ser importadas. A lista das chaves está disponível na página de assinaturas. Uma vez importadas, o usuário pode então verificar a assinatura do arquivo .DIGESTS.asc.

Importante
Isso não verifica se o arquivo .DIGESTS está correto, apenas se o arquivo .DIGESTS.asc está. Isso também implica que o checksum deve ser verificado contra os valores no arquivo .DIGESTS.asc, razão pela qual as instruções acima apenas fazem referência em baixar o arquivo .DIGESTS.asc.

O checksum pode ser verificado usando o aplicativo Hashcalc, embora muitos outros existam. Na maior parte do tempo essas ferramentas mostrarão ao usuário o checksum calculado e ao usuário é solicitado que verifique esse checksum com o valor que está dento do arquivo .DIGESTS.asc.

Verificando no Linux

Em um sistema Linux, o método mais comum de verificar uma assinatura criptográfica é usando o software app-crypt/gnupg. Com esse pacote instalado, o seguinte comando pode ser usado para verificar a assinatura criptográfica do arquivo .DIGESTS.asc.

Primeiro, baixe o conjunto correto de chaves disponibilizadas na página de assinaturas:

user $gpg --keyserver hkp://keys.gnupg.net --recv-keys 0xBB572E0E2D182910
gpg: requesting key 0xBB572E0E2D182910 from hkp server pool.sks-keyservers.net
gpg: key 0xBB572E0E2D182910: "Gentoo Linux Release Engineering (Automated Weekly Release Key) <releng@gentoo.org>" 1 new signature
gpg: 3 marginal(s) needed, 1 complete(s) needed, classic trust model
gpg: depth: 0  valid:   3  signed:  20  trust: 0-, 0q, 0n, 0m, 0f, 3u
gpg: depth: 1  valid:  20  signed:  12  trust: 9-, 0q, 0n, 9m, 2f, 0u
gpg: next trustdb check due at 2018-09-15
gpg: Total number processed: 1
gpg:         new signatures: 1

A seguir verifique a assinatura criptográfica do arquivo .DIGESTS.asc:

user $gpg --verify install-amd64-minimal-20141204.iso.DIGESTS.asc
gpg: Signature made Fri 05 Dec 2014 02:42:44 AM CET
gpg:                using RSA key 0xBB572E0E2D182910
gpg: Good signature from "Gentoo Linux Release Engineering (Automated Weekly Release Key) <releng@gentoo.org>" [unknown]
gpg: WARNING: This key is not certified with a trusted signature!
gpg:          There is no indication that the signature belongs to the owner.
Primary key fingerprint: 13EB BDBE DE7A 1277 5DFD  B1BA BB57 2E0E 2D18 2910

Para estar absolutamente certo de que tudo é validado, verifique a impressão digital (fingerprint) mostrada com a impressão digital da página de assinaturas do Gentoo.

Com a assinatura criptográfica validada, em seguida verifique a soma de verificação (checksum) para se certificar que o ISO baixado não foi corrompido. O arquivo .DIGESTS.asc contém vários algorítmos de hash, então um dos métodos para se saber qual o correto para se usar é olhar na soma de verificação registrada no arquivo .DIGESTS.asc. Por exemplo, para se obter a soma de verificação SHA512:

user $grep -A 1 -i sha512 install-amd64-minimal-20141204.iso.DIGESTS.asc
# SHA512 HASH
364d32c4f8420605f8a9fa3a0fc55864d5b0d1af11aa62b7a4d4699a427e5144b2d918225dfb7c5dec8d3f0fe2cddb7cc306da6f0cef4f01abec33eec74f3024  install-amd64-minimal-20141204.iso
--
# SHA512 HASH
0719a8954dc7432750de2e3076c8b843a2c79f5e60defe43fcca8c32ab26681dfb9898b102e211174a895ff4c8c41ddd9e9a00ad6434d36c68d74bd02f19b57f  install-amd64-minimal-20141204.iso.CONTENTS

Na saída acima, duas somas de verificação (checksums) são mostradas - uma para o arquivo install-amd64-minimal-20141204.iso e uma para o arquivo .CONTENTS correspondente. Apenas a primeira soma de verificação interessa, pois essa que deve ser comparada com a soma SHA512 que pode ser gerada como a seguir:

user $sha512sum install-amd64-minimal-20141204.iso
364d32c4f8420605f8a9fa3a0fc55864d5b0d1af11aa62b7a4d4699a427e5144b2d918225dfb7c5dec8d3f0fe2cddb7cc306da6f0cef4f01abec33eec74f3024  install-amd64-minimal-20141204.iso

Como os checksums conferem, o arquivo não está corrompido e a instalação pode continuar.

Burning a disk

Claro, apenas com o arquivo ISO baixado, a instalação do Gentoo Linux não pode ser iniciada. O arquivo ISO precisa ser gravado em um CD para boot, de forma que seu "conteúdo" é gravado no CD, não o arquivo em si. Abaixo são descritos alguns métodos mais comuns - um conjunto mais elaborado de instruções pode ser encontrado em nossa FAQ em como gravar um arquivo ISO.

Gravando com o Microsoft Windows

No Microsoft Windows existem algumas ferramentas que suportam a gravação de ISOs em CDs.

  • Com o EasyCD Creator, selecione File, Record CD from CD image. Então troque Files of type para ISO image file. Então selecione o arquivo ISO e clique em Open. Depois de clicar em Start recording, a imagem ISO será gravada corretamente no CD-R.
  • Com o Nero Burning ROM, cancele o assistente que aparece automaticamente e selecione Burn Image do menu File. Selecione a imagem para gravar e clique em Open. Então clique no botão Burn e assista ao novo CD sendo gravado.

Gravando com o Linux

No Linux, o arquivo ISO pode ser gravado em um CD usando o comando cdrecord, que é parte do pacote app-cdr/cdrtools.

Por exemplo, para gravar o arquivo ISO no CD no dispositivo /dev/sr0 (esse é o primeiro dispositivo de CD do sistema - substitua pelo dispositivo correto se necessário):

user $cdrecord dev=/dev/sr0 install-amd64-minimal-20141204.iso

Users that prefer a graphical user interface can use K3B, part of the kde-apps/k3b package. In K3B, go to Tools and use Burn CD Image. Then follow the instructions provided by K3B.

Booting

Inicializando pela midia de instalação

Once the installation media is ready, it is time to boot it. Insert the media in the system, reboot, and enter the motherboard's firmware user interface. This is usually performed by pressing a keyboard key such as DEL, F1, F10, or ESC during the Power-On Self-test (POST) process. The 'trigger' key varies depending on the system and motherboard. If it is not obvious use an internet search engine and do some research using the motherboard's model name as the search keyword. Results should be easy to determine. Once inside the motherboard's firmware menu, change the boot order so that the external bootable media (CD/DVD disks or USB drives) are tried before the internal disk devices. Without this change, the system will most likely reboot to the internal disk device, ignoring the external boot media.

Importante
Quando instalar o Gentoo com o propósito de usar a interface UEFI em vez da BIOS, é recomendado inicializar com o UEFI imediatamente. Se isso não for feito, então pode ser necessário criar um pendrive USB UEFI inicializável (ou outra mídia) uma vez antes de finalizar a instalação do Gentoo Linux.

If not yet done, ensure that the installation media is inserted or plugged into the system, and reboot. A boot prompt should be shown. At this screen, Enter will begin the boot process with the default boot options. To boot the installation media with custom boot options, specify a kernel followed by boot options and then hit Enter.

At the boot prompt, users get the option of displaying the available kernels (F1) and boot options (F2). If no choice is made within 15 seconds (either displaying information or using a kernel) then the installation media will fall back to booting from disk. This allows installations to reboot and try out their installed environment without the need to remove the CD from the tray (something well appreciated for remote installations).

Specifying a kernel was mentioned. On the Minimal installation media, only two predefined kernel boot options are provided. The default option is called gentoo. The other being the -nofb variant; this disables kernel framebuffer support.

A próxima seção dá uma breve descrição dos kernel disponíveis.

Opções de Kernel

gentoo
Kernel padrão com suporte para CPUs K8 (incluindo suporte a NUMA) e CPUs EM64T
gentoo-nofb
Mesmo que gentoo mas sem suporte ao framebuffer
memtest86
Testa se há erros de RAM

Além do kernel, as opções de inicialização ajudam a afinar o processo de inicialização ainda mais.

Opções de Hardware

acpi=on
Carrega suporte a ACPI e também faz com que o serviço acpid seja iniciado pelo CD durante a inicialização. Isso é apenas necessário se o sistema precisar da ACPI para funcionar adequadamente. Essa opção não é necessária para suporte a Hyperthreading.
acpi=off
Desabilita completamente a ACPI. Isso é útil em sistemas mais antigos e também é necessário para usar APM. Isso irá desabilitar todo o suporte a Hyperthreading do processador.
console=X
Configura acesso a console serial para o CD. A primeira opção é o dispositivo, normalmente ttyS0 no x86, seguida pelas opções de conexão, separadas por vírgulas. As opções padrões são 9600,8,n,1.
dmraid=X
Permite passar opções ao device-mapper do subsistema RAID. As opções devem estar entre aspas.
doapm
Carrega o driver de suporte a APM. Isso requer a opção acpi=off.
dopcmcia
Carrega o suporte a hardware PCMCIA e Cardbus e também faz com que o cardmgr pcmcia seja iniciado pelo CD no boot. Esta opção é apenas necessária quando inicializar de dispositivos PCMCIA/Cardbus.
doscsi
Carrega suporte a maioria dos controladores SCSI. É também necessário para inicializar pela maioria dos dispositivos USB, uma vez que eles usam o subsistema SCSI do kernel.
sda=stroke
Permite ao usuário particionar o disco rígido inteiro mesmo que a BIOS seja incapaz de gerenciar discos grandes. Esta opção é usada apenas em máquinas com BIOS antigas. Troque sda pelo dispositivo que necessita da opção.
ide=nodma
Força a desabilitação do DMA no kernel e é necessária por alguns chipsets IDE e também por alguns drives de CDROM. Se o sistema apresentar problemas para ler o CDROM IDE, tente esta opção. Também desabilita a execução da configuração padrão do hdparm.
noapic
Desabilita o Controlador de Interrupções Programável Avançado (APIC) encontrado em placas-mãe mais novas. Sabe-se que pode causar alguns problemas em hardwares mais antigos.
nodetect
Desabilita toda a autodetecção feita pelo CD, incluindo autodetecção de dispositivos e configuração por DHCP. Isso é util para depuração de problemas de um CD ou driver.
nodhcp
Desabilita a configuração por DHCP nas interfaces de rede detectadas. Isso é útil em redes que usam apenas endereços estáticos.
nodmraid
Desabilita suporte ao device-mapper RAID, tais como as usadas por controladoras on-board RAID IDE/SATA.
nofirewire
Desabilita o carregamento dos módulos Firewire. Isso deve ser necessário apenas se seu hardware Firewire estiver causando problemas na inicialização pelo CD.
nogpm
Desabilita o suporte gpm ao mouse no console.
nohotplug
Desabilita a carga dos scripts de inicialização do hotplug e coldplug na inicialização. Isso é útil para fazer depuração de um CD ou driver problemático.
nokeymap
Desabilita a seleção de mapa de caracteres usada para selecionar layouts de teclados não-US.
nolapic
Desabilita o APIC local em kernels uniprocessados.
nosata
Desabilita o carregamento dos módulos Serial ATA. Isso é usando quando o sistema estiver tendo problemas com o subsistema SATA.
nosmp
Desabilita o SMP, ou Multiprocessamento Simétrico, em kernels com o SMP habilitado. Isso é útil para depurar problemas relacionados ao SMP em certos drivers e placas-mãe.
nosound
Desabilita o suporte a som e ajuste de volume. Isso é útil em sistemas onde o suporte a som estiver causando problemas.
nousb
Desabilita o carregamento de módulos USB. É útil para depurar problemas em USB.
slowusb
Adiciona pausa extra no processo de inicialização para CDROMs USB lentos, como no IBM BladeCenter.

Gerenciamento de volume/dispositivo lógico

dolvm
Habilita suporte ao gerenciamento de Volume Lógico do Linux.

Outras opções

debug
Habilita o código de depuração. Isso pode ficar confuso pois mostra uma grande quantidade de dados na tela.
docache
Faz cache de todo o conteúdo do CD na RAM, o que permite ao usuário desmontar o /mnt/cdrom e montar outro CDROM. Esta opção requer que haja pelo menos o dobro de memória RAM disponível que o tamanho do CD.
doload=X
Isso faz com que o disco de RAM inicial carregue qualquer módulo listado, assim como as dependências. Substitua o X pelo nome do módulo. Múltiplos módulos podem ser especificados em uma lista de itens separados por vírgula.
dosshd
Inicia o sshd no boot, o que é útil em instalações remotas.
passwd=foo
Define a senha do root, o que é necessário pelo dosshd uma vez que a senha do root por padrão é "embaralhada".
noload=X
Causa o disco de RAM inicial pular o carregamento de um módulo específico que esteja causando problemas. A sintaxe é a mesma do doload.
nonfs
Desabilita a inicialização do portmap/nfsmount no boot.
nox
Isso faz com que um LiveCD com o X habilitado não inicie automaticamente o X mas, em vez disso, mostre a linha de comando.
scandelay
Faz o CD pausar por 10 segundos durante certas partes do processo de inicialização para permitir que dispositivos lentos inicializem e fiquem prontos para uso.
scandelay=X
Permite ao usuário especificar o atraso, em segundos, a ser adicionado a certas partes do processo de inicialização para permitir que dispositivos lentos inicializem e fiquem prontos para uso. Substitua o X pelo número de segundos para pausar.
Nota
A mídia de boot irá checar as opções no* antes das opções do*, então essas opções podem ser sobrepostas na exata ordem especificada.

Agora inicialize a mídia, selecione um kernel (se o kernel padrão gentoo não for suficiente) e as opções de inicialização. Como exemplo, inicializamos o kernel gentoo, com dopcmcia como parâmetro do kernel.

boot:gentoo dopcmcia

Em seguida o usuário é saudado com uma tela de inicialização e uma barra de progresso. Se a instalação é feita em um sistema com teclado não-EUA, pressione imediatamente Alt + F1 para trocar para o modo verboso e siga as mensagens. Se nenhuma seleção for feita em 10 segundos o padrão (teclado dos EUA) será carregado e o processo de instalação continuará. Uma vez que o processo de inicialização complete, o usuário é automaticamente logado no ambiente "vivo" do Gentoo Linux como usuário "root", o superusuário. Um sinal de pronto é mostrado no console atual, e o usuário pode trocar para outros consoles pressionando Alt + F2, Alt + F3 and Alt + F4. Volte ao console inicial pressionando Alt + F1.


Configuração extra de hardware

When the Installation medium boots, it tries to detect all the hardware devices and loads the appropriate kernel modules to support the hardware. In the vast majority of cases, it does a very good job. However, in some cases it may not auto-load the kernel modules needed by the system. If the PCI auto-detection missed some of the system's hardware, the appropriate kernel modules have to be loaded manually.

No exemplo a seguir o módulo 8139too (que dá suporte a certos tipos de interfaces de rede) é carregado:

root #modprobe 8139too

Opcional: Contas de usuários

If other people need access to the installation environment, or there is need to run commands as a non-root user on the installation medium (such as to chat using irssi without root privileges for security reasons), then an additional user account needs to be created and the root password set to a strong password.

Para trocar a senha do root, use o utilitário passwd:

root #passwd
New password: (Digite a nova senha)
Re-enter password: (Re-digite a nova senha)

Para criar uma conta, primeira entre com suas credenciais, seguida da senha da conta. Os comandos useradd e passwd são utilizados para essas tarefas.

No exemplo a seguir, um usuário chamado john é criado:

root #useradd -m -G users john
root #passwd john
New password: (Digite a senha de john)
Re-enter password: (Re-digite a senha de john)

Para trocar do usuário atual (root) para a conta recém-criada, use o comando su:

root #su - john

Opcional: Vendo a documentação enquanto instala

TTYs

Para ver o manual do Gentoo durante a instalação, primeiro crie uma conta de usuário conforme descrito acima. Então tecle Alt + F2 para ir a outro terminal.

Durante a instalação, o comando links pode ser usado para navegar pelo manual do Gentoo - logicamente apenas a partir do momento em que a conexão com a Internet estiver funcionando.

user $links https://wiki.gentoo.org/wiki/Handbook:AMD64

Para voltar ao terminal de origem, tecle Alt + F1.

GNU Screen

The GNU Screen utility is installed by default on official Gentoo installation media. It may be more efficient for the seasoned Linux enthusiast to use screen to view installation instructions via split panes rather than the multiple TTY method mentioned above.

Opcional: Iniciar o processo SSH

Para permitir que outros usuários acessem o sistema durante a instalação (talvez para ajudar na instalação, ou mesmo instalar remotamente), uma conta de usuário precisa ser criada (como documentado anteriormente) e o processo ssh precisa ser iniciado.

Para disparar o processo SSH, execute o seguinte comando:

root #service sshd start
Nota
Se usuários se logarem ao sistema remotamente, eles receberão uma mensagem dizendo que a chave do hospedeiro (host key) precisa ser confirmada (através do que é chamada impressão digital (fingerprint)). Isso é esperado na primeira vez que alguém se logar no sistema. Entretanto, mais tarde, quando o sistema estiver instalado e alguém acessa remotamente o sistema recém-instalado, o cliente SSH vai avisar que a chave do hospedeiro foi modificada. Isso acontece porque agora o usuário loga - para o SSH - em um servidor diferente (a saber o sistema Gentoo recém-instalado em vez do ambiente de instalação sendo usado). Siga as instruções na tela para trocar a chave do hospedeiro n sistema cliente.

Para ser capaz de usar o sshd, a rede deve estar funcionando apropriadamente. Continue com a instalação em Configurando a rede.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Detecção automática de rede

Talvez já esteja funcionando?

Se o sistema estiver conectado a uma rede Ethernet com um servidor DHCP, é muito provável que a configuração de rede já tenha sido feita automaticamente. Se for o caso, então os muitos comandos incluidos no CD de instalação que dependem da rede tais como ssh, scp, ping, irssi, wget e links, entre outros, funcionarão imediatamente.

Determine os nomes das interfaces

comando ifconfig

Se a rede já foi configurada, o comando ifconfig deve listar uma ou mais interfaces de rede (além da lo). No exemplo abaixo, é mostrada a interface eth0:

root #ifconfig
eth0      Link encap:Ethernet  HWaddr 00:50:BA:8F:61:7A
          inet addr:192.168.0.2  Bcast:192.168.0.255  Mask:255.255.255.0
          inet6 addr: fe80::50:ba8f:617a/10 Scope:Link
          UP BROADCAST RUNNING MULTICAST  MTU:1500  Metric:1
          RX packets:1498792 errors:0 dropped:0 overruns:0 frame:0
          TX packets:1284980 errors:0 dropped:0 overruns:0 carrier:0
          collisions:1984 txqueuelen:100
          RX bytes:485691215 (463.1 Mb)  TX bytes:123951388 (118.2 Mb)
          Interrupt:11 Base address:0xe800 

Como resultado de mudanças em favor de nomes de interfaces de rede predizíveis, o nome da interface do sistema pode ser bem diferente do antigo nome eth0. Mídias recentes de instalação pode mostrar nomes de interface de rede como eno0, ens1 ou enp5s0. Procure o nome da interface na saída do comando ifconfig que tem um endereço IP relacionado à rede local.

Tip
Se não for mostrada nenhuma interface quando o comando padrão ifconfig é usado, tente usar o mesmo comando com a opção -a. Essa opção força o comando a mostrar todas as interfaces de rede detectadas pelo sistema independentemente de estarem em estado ativo ou inativo. Se o ifconfig -a não mostrar nenhum resultado então o hardware está com problema ou o driver da interface não foi carregado no kernel. Ambas as situações estão além do escopo deste manual. Contate o canal #gentoo para suporte.

Comando ip

Como alternativa ao ifconfig, o comando ip pode ser usado para se determinar nomes de interfaces. O exemplo a seguir mostra a saída de ip addr (de um outro sistema, assim a informação mostrada é diferente do exemplo anterior):

root #ip addr
2: eno1: <BROADCAST,MULTICAST,UP,LOWER_UP> mtu 1500 qdisc pfifo_fast state UP group default qlen 1000
    link/ether e8:40:f2:ac:25:7a brd ff:ff:ff:ff:ff:ff
    inet 10.0.20.77/22 brd 10.0.23.255 scope global eno1
       valid_lft forever preferred_lft forever
    inet6 fe80::ea40:f2ff:feac:257a/64 scope link 
       valid_lft forever preferred_lft forever

A saída acima pode ser um pouco mais complicada de ler que a alternativa. O nome da interface no exemplo acima segue imediatamente seu número; no caso, eno1.

No restante deste documento, o manual assumirá que a interface de rede é chamada eth0.

Opcional: Configuração de proxy

Se a Internet é acessada através de um proxy, então é necessário entrar com as informações do proxy durante a instalação. É muito fácil definir um proxy: apenas defina uma variável que contém as informações do servidor proxy.

Na maioria dos casos, é suficiente definir as variáveis usando o nome do servidor. Como exemplo, vamos assumir que o proxy é chamado proxy.gentoo.org e a porta é 8080.

Para configurar um proxy HTTP (para tráfego HTTP e HTTPS):

root #export http_proxy="http://proxy.gentoo.org:8080"

Para configurar um proxy FTP:

root #export ftp_proxy="ftp://proxy.gentoo.org:8080"

Para configurar um proxy rsync:

root #export RSYNC_PROXY="proxy.gentoo.org:8080"

Se o proxy requer um nome de usuário e senha, use a seguinte sintaxe para a variável:

CODE Adicionando usuário/senha à variável proxy
http://usuário:senha@proxy.gentoo.org:8080

Testando a rede

Tente "pingar" o servidor DNS do seu provedor (encontrado em /etc/resolv.conf) e um site web de sua escolha. Isso certifica que a rede está funcionando adequadamente e que os pacotes de rede estão alcançando a rede, a resolução de nomes pelo DNS está funcionando corretamente etc.

root #ping -c 3 www.gentoo.org

Se tudo funcionar, então o restante deste capítulo pode ser pulado para o próximo passo das instruções de instalação (Preparando os discos).

Configuração automática de rede

Se a rede não funcionar imediatamente, algumas mídias de instalação permitem ao usuário usar o net-setup (para redes regulares ou sem fio), pppoe-setup (para usuários de ADSL) ou pptp (para usuários de PPTP).

Se a mídia de instalação não incluir nenhuma dessas ferramentas, continue com a Configuração manual de rede.

Default: Usando o net-setup

O modo mais simples de configurar a rede se ela não foi configurada automaticamente é executar o script net-setup:

root #net-setup eth0

O net-setup irá fazer algumas perguntas sobre o ambiente de rede. Quando terminar, a conexão de rede deve funcionar. Teste a conexão de rede como descrito anteriormente. Se os testes derem certo, parabéns! Pule o resto desta seção e continue com Preparando os discos.

Se a rede ainda não funciona, continue com a Configuração manual de rede.

Alternativa: Usando PPP

Assumindo que é necessário o uso do PPPoE para se conectar à Internet, o CD de instalação (qualquer versão) tornou as coisas mais fáceis incluindo o ppp. Use o script pppoe-setup provido para configurar a conexão. Durante a configuração será perguntado o dispositivo que está conectado ao seu modem ADSL, o nome de usuário e senha, os IPs dos servidores DNS e se é necessário um firewall básico.

root #pppoe-setup
root #pppoe-start

Se alguma coisa der errado, verifique se o usuário e senha estão corretos olhando em etc/ppp/pap-secrets ou /etc/ppp/chap-secrets e certifique-se de estar usando o dispositivo Ethernet correto. Se o dispositivo Ethernet não existir, os módulos de rede apropriados precisam ser carregados. Nesse caso, continue em Configuração manual de rede pois lá é explicado como carregar os módulos de rede apropriados.

Se tudo estiver funcionando, prossiga com Preparando os discos.

Alternativa: Usando PPTP

Se for necessário suporte a PPTP, use pptpclient, que é provido pelos CDs de instalação. Mas primeiro certifique-se que a configuração está correta. Edite /etc/ppp/pap-secrets ou /etc/ppp/chap-secrets de modo que contenha a combinação correta de usuário e senha:

root #nano -w /etc/ppp/chap-secrets

Depois ajuste o /etc/ppp/options.pptp se necessário:

root #nano -w /etc/ppp/options.pptp

Quando tudo pronto, execute pptp (juntamente com as opções que não puderam ser incluídas em options.pptp) para conectar ao servidor:

root #pptp <ip do servidor>

Agora continue com Preparando os discos.

Configuração manual de rede

Carregando os módulos de rede apropriados

Quando o CD de instalação inicializa, ele tenta detectar todos os dispositivos de hardware e carrega os módulos (drivers) do kernel necessários para suportar o hardware. Na vasta maioria dos casos, ele faz um ótimo trabalho. Em alguns casos, entretanto, ele pode não carregar os módulos necessários.

Se o net-setup ou o pppoe-setup falhou, então é possível que a placa de rede não foi encontrada imediatamente. Isso significa que o usuário pode precisar carregar os módulos do kernel manualmente.

Para saber quais módulos do kernel são providos para rede, use o comando ls:

root #ls /lib/modules/`uname -r`/kernel/drivers/net

Se encontrar um driver para o dispositivo de rede, use modprobe para carregar o módulo do kernel. Por exemplo, para carregar o módulo pcnet32:

root #modprobe pcnet32

Para checar se a placa de rede foi detectada, use ifconfig. Uma placa de rede quando detectada deve resultar em algo como (novamente, eth0 é apenas um exemplo):

root #ifconfig eth0
eth0      Link encap:Ethernet  HWaddr FE:FD:00:00:00:00  
          BROADCAST NOARP MULTICAST  MTU:1500  Metric:1
          RX packets:0 errors:0 dropped:0 overruns:0 frame:0
          TX packets:0 errors:0 dropped:0 overruns:0 carrier:0
          collisions:0 txqueuelen:0 
          RX bytes:0 (0.0 b)  TX bytes:0 (0.0 b)

Se, entretanto, o seguinte erro for mostrado, a placa de rede não foi detectada:

root #ifconfig eth0
eth0: error fetching interface information: Device not found

Os nomes das interfaces de rede disponíveis no sistema podem ser listados através do sistema de arquivos em /sys:

root #ls /sys/class/net
dummy0  eth0  lo  sit0  tap0  wlan0

No exemplo acima foram encontradas 6 interfaces. A eth0 é a mais provável de ser o adaptador Ethernet (com fio) enquanto o wlan0 é a sem fio.

Assumindo que a placa de rede foi detectada, tente novamente o net-setup ou pppoe-setup (que deve funcionar agora) mas, para o pessoal mais "hardcore", explicamos também como configurar a rede manualmente.

Selecione uma das seguintes seções baseado em sua configuração de rede:

Usando DHCP

DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" - Protocolo de Configuração Dinâmica de Host) torna possível obter informações de rede (endereço IP, máscara de rede, endereço de broadcast, servidores de nomes etc). Isso funciona apenas se houver um servidor DHCP na rede (ou se o provedor de Internet provê serviço DHCP). Para que uma interface de rede receba essa informação automaticamente, use dhcpcd:

root #dhcpcd eth0

Alguns administradores de rede requerem que o nome de host e o nome de domínio providos pelo servidor DHCP sejam usados pelo sistema. Nesse caso, use:

root #dhcpcd -HD eth0

Se isso funcionar (tente fazer ping para algum servidor de Internet, como o Google), então tudo está configurado e pronto para continuar. Pule o resto desta seção e continue em Preparando os discos.

Preparando para acesso sem fio

Nota
O suporte ao comando iwconfig pode ser específico da arquitetura. Se o comando não estiver disponível, verifique se o pacote net-wireless/wireless-tools está disponível para essa arquitetura. O comando iwconfig estará indisponível até que o pacote net-wireless/wireless-tools esteja instalado.

Quando usar uma conexão sem fio (802.11), as configurações sem fio precisam ser feitas antes de qualquer coisa. Para ver as configurações atuais da placa usa-se o iwconfig. Executando o iwconfig pode aparecer algo como:

root #iwconfig eth0
eth0      IEEE 802.11-DS  ESSID:"GentooNode"                                   
          Mode:Managed  Frequency:2.442GHz  Access Point: 00:09:5B:11:CC:F2    
          Bit Rate:11Mb/s   Tx-Power=20 dBm   Sensitivity=0/65535               
          Retry limit:16   RTS thr:off   Fragment thr:off                       
          Power Management:off                                                  
          Link Quality:25/10  Signal level:-51 dBm  Noise level:-102 dBm        
          Rx invalid nwid:5901 Rx invalid crypt:0 Rx invalid frag:0 Tx          
          excessive retries:237 Invalid misc:350282 Missed beacon:84            

To check for a current connection:

root #iw dev wlp9s0 link
Not connected.

or

root #iw dev wlp9s0 link
Connected to 00:00:00:00:00:00 (on wlp9s0)
	SSID: GentooNode
	freq: 2462
	RX: 3279 bytes (25 packets)
	TX: 1049 bytes (7 packets)
	signal: -23 dBm
	tx bitrate: 1.0 MBit/s
Note
Some wireless cards may have a device name of wlan0 or ra0 instead of wlp9s0. Run ip link to determine the correct device name.

Para a maioria dos usuários há apenas dois parâmetros que podem ser importantes trocar, o ESSID (o nome da rede sem fio) ou a chave WEP. Se o ESSID e o endereço do Ponto de Acesso listados já forem os do ponto de acesso do ambiente e o ambiente não usar WEP, então a configuração da rede sem fio já estará funcionando.

Para trocar o ESSID ou adicionar uma chave WEP, siga os seguintes comandos:

  • Para configurar o nome da rede para GentooNode:
root #iwconfig eth0 essid GentooNode
  • Para configurar a chave WEP em hexadecimal:
root #iwconfig eth0 key 1234123412341234abcd
  • Para configurar uma chage WEP ASCII, prefixe a chave com s:
root #iwconfig eth0 key s:some-password
Nota
Se a rede sem fio estiver configurada com WPA ou WPA2, então é necessário usar o wpa_supplicant. Para mais informações sobre a configuração de rede sem fio no Gentoo Linux, por favor leia o capítulo sobre rede sem fio do Manual do Gentoo.

Verifique novamente a configuração da rede sem fio usando o iwconfig. Uma vez que a rede sem fio estiver funcionando, prossiga com a configuração das opções de rede a nível de IP como descrita na próxima seção (Entendendo a terminologia de rede) ou use o comando net-setup como descrito anteriormente.

Entendendo a terminologia de rede

Nota
Se o endereço IP, endereço de broadcast, máscara de rede e servidores de nome forem conhecidos, pule esta subseção e prossiga com Usando o ifconfig e route.

Se tudo descrito acima falhar, a rede precisará ser configurada manualmente. Isso não é nada difícil. Entretanto, algum conhecimento de terminologia de redes e conceitos básicos podem ser necessários. Depois de ler esta seção, o usuário saberá o que é um gateway, para que serve a máscara de rede, como é formado um endereço de broadcast e porque os sistemas precisam de servidores de nomes.

Em uma rede, hosts são identificados pelo seu endereço IP (endereço de Protocolo Internet). Tal endereço é visto como uma combinação de quatro números entre 0 e 255. Bem, pelo menos quando usado o IPv4 (IP versão 4). Na realidade, um endereço IPv4 consiste de 32 bits (uns e zeros). Vejamos um exemplo:

CODE Examplo de um endereço IPv4
Endereço IP (números):   192.168.0.2
Endereço IP (bits):      11000000 10101000 00000000 00000010
                        -------- -------- -------- --------
                           192      168       0        2
Nota
O sucessor do IPv4, o IPv6, usa 128 bits (uns e zeros). Nesta seção, o foco será em endereços IPv4.

Um endereço IP é único a um host no que se refere a todas as redes por ele acessíveis (isto é, cada host que alguém quiser alcançar deve ter um endereço IP único). De modo a distinguir entre hosts dentro e fora de uma rede, o endereço IP é dividido em duas partes: a parte de rede e a parte de host.

Essa separação é escrita usando a máscara de rede, uma sequência de uns seguida de uma sequência de zeros. A parte do endereço IP correspondente aos uns é a parte de rede, e a outra é a parte de host. Usualmente, a máscara de rede é escrita como um endereço IP.

CODE Exemplo da separação de rede/host
Endereço IP:          192      168      0         2
                   11000000 10101000 00000000 00000010
Máscara de rede:   11111111 11111111 11111111 00000000
                      255      255     255        0
                   --------------------------+--------+
                              Rede               Host

Ou seja, 192.168.0.14 é parte da mesma rede do exemplo, mas 192.168.1.2 não é.

O endereço de broadcast (difusão) é um endereço IP com a mesma parte de rede, mas apenas uns na parte de host. Todos os hosts na rede escutam por esse endereço IP. Ele é verdadeiramente destinado a difusão de pacotes.

CODE Endereço de broadcast
Endereço IP:   192      168      0         2
            11000000 10101000 00000000 00000010
Broadcast:  11000000 10101000 00000000 11111111
               192      168      0        255
           +--------------------------+--------+
                     Rede                Host

Para ser capaz de navegar na Internet, cada computador na rede deve saber qual host compartilha a conexão com a Internet. Esse host é chamado gateway. Uma vez que ele é um host normal, ele tem um endereço IP normal (por exemplo, 192.168.0.1).

Dissemos anteriormente que todos os hosts tem seu próprio endereço IP. Para ser capaz de alcançar esse host usando um nome (em vez de um endereço IP), precisamos de um serviço que traduza um nome (tal como dev.gentoo.org) para um endereço IP (tal como 64.5.62.82). Tal serviço é chamado de "serviço de nomes". Para usar esse serviço, é necessário que os servidores de nomes (nameservers) sejam definidos em /etc/resolv.conf.

Em alguns casos, o gateway também serve como servidor de nomes. Senão, os servidores de nomes do provedor precisam ser inseridos nesse arquivo.

Resumindo, as seguintes informações são necessárias antes de continuar:

Item da rede Exemplo
O endereço IP do sistema 192.168.0.2
Máscara de rede 255.255.255.0
Broadcast 192.168.0.255
Gateway 192.168.0.1
Servidor(es) de nomes 195.130.130.5, 195.130.130.133

Usando o ifconfig e route

Configurar a rede consiste de tres passos:

  1. Atribua um endereço IP usando ifconfig
  2. Configure o roteamento e o gateway usando route
  3. Termine inserindo os servidores de nome em /etc/resolv.conf

Para atribuir um endereço IP, são necessários o endereço IP, o endereço de broadcast e a máscara de rede. Depois execute o seguinte comando, substituindo ${IP_ADDR} pelo endereço IP correto, ${BROADCAST} com o endereço de broadcast correto e ${NETMASK} com a máscara de rede correta.

root #ifconfig eth0 ${IP_ADDR} broadcast ${BROADCAST} netmask ${NETMASK} up

Configure o roteamento usando o comando route. Substitua ${GATEWAY} com o endereço IP correto do gateway:

root #route add default gw ${GATEWAY}

Agora edite o /etc/resolv.conf:

root #nano -w /etc/resolv.conf

Insira o(s) servidor(es) de nomes usando o padrão abaixo. Certifique-se de substituir ${NAMESERVER1} e ${NAMESERVER2} com os endereços apropriados dos servidores de nomes:

CODE Padrão para uso do /etc/resolv.conf
nameserver ${NAMESERVER1}
nameserver ${NAMESERVER2}

É isso. Agora teste a rede fazendo ping para algum servidor da Internet (como o Google). Se funcionar, parabéns. Continue com Preparando os discos.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Introdução aos dispositivos de blocos

Dispositivos de blocos

Vamos dar uma boa olhada nos aspectos relacionados a discos do Gentoo Linux e do Linux em geral, incluindo sistemas de arquivos Linux, partições e dispositivos de blocos. Uma vez que os detalhes de discos e partições estiverem compreendidos, serão configurados as partições e sistemas de arquivos para a instalação do Gentoo Linux.

Para começar, vamos dar uma olhada nos dispositivos de blocos. O dispositivo de bloco mais famoso é provavelmente aquele que representa o primeiro drive em um sistema Linux, o /dev/sda. Drives SCSI e Serial ATA são ambos chamados /dev/sd*; mesmo drives IDE são chamados /dev/sd* pelo sistema libata do kernel. Se for usado o sistema antigo de dispositivos, então o primeiro drive IDE é chamado /dev/hda.

Os dispositivos de blocos acima representam uma interface abstrata para o disco. Programas de usuários podem usar esses dispositivos de blocos para interagir com o disco sem se preocuparem se são IDE, SCSI, ou de outro tipo. O programa pode simplesmente endereçar o armazenamento do disco como um grupo de blocos de 512 bytes contínuos e acessíveis aleatoriamente.


Tabelas de partições

Embora seja teoricamente possível usar o disco todo, sem partições para abrigar um sistema Linux (quando criando um RAID btrfs, por exemplo), isso quase nunca é feito na prática. Em vez disso, os dispositivos de blocos são divididos em dispositivos menores, mais gerenciáveis. Em sistemas amd64, eles são chamados partições. Há atualmente dois padrões de tecnologias de particionamento em uso: MBR e GPT.

MBR

A configuração MBR ("Master Boot Record" - Registro Mestre de Iniciliazação) usa identificadores de 32 bits para o setor de início e o tamanho das partições e suporta três tipos de partições: primária, estendida e lógica. Partições primárias têm suas informações armazenadas no MBR em si - um local muito pequeno (normalmente 512 bytes) bem no começo do disco. Devido a esse espaço pequeno, apenas quatro partições primárias são suportadas (ou seja, de /dev/sda1 a /dev/sda4).

Para suportar mais partições, uma das partições primárias pode ser marcada como uma partição estendida. Essa partição pode então conter partições lógicas (com partições dentro de uma partição).

Cada partição é limitada em tamanho a 2 TB (devido aos identificadores de 32 bits). Também, a configuração MBR não provê nenhuma cópia da MBR, assim, se uma aplicação ou usuário sobrescreve a MBR, toda as informações sobre as partições são perdidas.

GPT

A configuração GPT ("GUID Partition Table" - Tabela de Partição GUID) usa identificadores de 64 bits para as partições. O local onde é armazenada a informação sobre as partições é muito maior que os 512 bytes da MBR o que significa que praticamente não há limite no número de partições de um disco GPT. Também o tamanho de uma partição tem um limite muito maior (quase 8 ZB - sim, zetabytes).

Quando a interface do software de sistema entre o sistema operacional e o firmware é a UEFI (em vez da BIOS), o GPT é praticamente mandatório uma vez que surgirão problemas de compatibilidade com a MBR aqui.

A GPT também tem a vantagem de usar somas de checagem e redundância. Ele possui somas de checagem CRC32 para detectar erros no cabeçalho e tabelas de partição e tem um backup da GPT no final do disco. Esta tabela de backup pode ser usada para recuperar danos da GPT primária próxima do início do disco.

GPT ou MBR

Pela descrição acima, alguém pode imaginar que usar GPT é sempre o caminho recomendado, entretanto há alguns problemas.

Usar GPT em um computador baseado em BIOS funciona, mas com isso não é possível fazer dual boot com um sistema operacional Microsoft Windows. A razão é que o Microsoft Windows irá inicializar em modo UEFI se ele detectar uma etiqueta de partição GPT.

Alguns firmwares de placas mães configuradas para inicializar em modo BIOS/CSM/legado podem também ter problemas quando inicializar a partir de discos etiquetados como GPT. Nesse caso, pode ser possível contornar o problema adicionando o status "boot/active" à partição MBR, o que precisa ser feito através do fdisk com a opção -t dos para forçá-lo a ler a tabela de partição usando o formato MBR.

Nesse caso, execute o fdisk e mude a sinalização usando a tecla a. Pressione 1 para selecionar a primeira partição, então use a tecla w para gravar as alterações no disco e saia do fdisk:

user $fdisk -t dos /dev/sda
Welcome to fdisk (util-linux 2.24.1).
Changes will remain in memory only, until you decide to write them.
Be careful before using the write command.
  
Command (m for help): a
Partition number (1-4): 1
  
Command (m for help): w

Usando UEFI

Quando instalando o Gentoo em um sistema que usa UEFI para inicializar o sistema operacional (em vez da BIOS), é importante que uma partição de sistema EFI (ESP) seja criada. As instruções para o parted abaixo contém os passos necessários para fazer corretamente essa operação.

A ESP precisa ser uma partição do tipo FAT (algumas vezes mostradas como "vfat" em sistemas Linux). A especificação UEFI oficial denota que os sistemas de arquivos FAT12, FAT16, ou 32 irão ser reconhecidos pela firmware UEFI, apesar de que FAT32 é o recomendado para a ESP. Formate a ESP como FAT32:

root #mkfs.fat -F 32 /dev/sda2
Important
Se a partição FAT não for usada para a ESP, não haverá garantia que o firmware do sistema UEFI será capaz de encontrar o carregador de boot (ou o kernel do Linux) e provavelmente será incapaz de inicializar o sistema!

Armazenamento avançado

RAID Btrfs

Como mencionado acima, o btrfs tem a capacidade de criar sistemas de arquivos em dispositivos múltiplos. O sistema de arquivos btrfs criado dessa forma pode operar nos seguintes modos: raid0, raid1, raid10, raid5 e raid6. Os modos RAID 5 e 6 foram melhorados significativamente mas ainda são considerados instáveis. Depois que um sistema de arquivos em dispositivos múltiplos foi criado, novos dispositivos podem ser adicionados e dispositivos antigos removidos com uns poucos comandos. O btrfs exige maior envolvimento que outros sistemas de arquivos o que o torna não muito amigável para iniciantes.

Sistemas de arquivos ext4 podem ser convertidos em btrfs, o que pode ser útil para aqueles que gostariam de instalar o Gentoo em um sistema de arquivos estável e bem testado e gradualmente aumentar seus conhecimentos sobre novos sistemas de arquivos tais como o btrfs através de experimentação.

LVM

Os CDs de instalação para amd64 proveem suporte para Gerenciador de Volumes Lógicos (LVM). O LVM aumenta a flexibilidade oferecida pela configuração de particionamento. As instruções de instalação abaixo focarão em partições "normais", mas mesmo assim é bom saber que o LVM também é suportado se for necessário. Visite o artigo LVM para mais detalhes. Iniciantes estejam avisados: apesar de completamente suportado LVM está fora do escopo deste guia.

Esquema de particionamento default

Até o final deste manual, o seguinte esquema de particionamento será usado como um layout simples de exemplo:

Partição Sistema de arquivo Tamanho Descrição
/dev/sda1 (bootloader) 2M Partição de boot BIOS
/dev/sda2 ext2 (ou FAT32 se UEFI está sendo usada) 128M Partição boot/Sistema EFI
/dev/sda3 (swap) 512M ou maior Partição de swap
/dev/sda4 ext4 Resto do disco Partição root

Se isso já for suficiente e o leitor optou pelo caminho do GPT, ele pode saltar imediatamente para Default: Usando parted para particionar o disco. Aqueles ainda interessados em MBR (ei, acontece!) e usando o layout de exemplo podem saltar para Alternativa: Usando fdisk para particionar o disco.

Ambos o fdisk e o parted são utilitários de particionamento. O fdisk é bem conhecido, estável e recomendado para layout de particionamento MBR enquanto o parted foi um dos primeiros utilitários de gerenciamento de dispositivos de blocos do Linux a suportar partições GPT. Aqueles que gostam da interface do fdisk podem usar o gdisk (GPT fdisk) como alternativa ao parted.

Antes das instruções para criação das partições, o primeiro conjunto de seções descreverá em mais detalhes como os esquemas de particionamento podem ser criados mencionaremos as dificuldades mais comuns.

Criando um esquema de particionamento

Quantas partições e de que tamanho?

O número de partições é altamente dependente do ambiente. Por exemplo, se há muitos usuários, é aconselhável ter o /home/ separado pois isso aumenta a segurança e torna o backup mais fácil. Se o Gentoo estiver sendo instalado para ser um pequeno servidor de email, o /var/ deve ficar separado pois todos os emails armazenados ficam no /var/. Uma boa escolha do tipo do sistema de arquivos irá maximizar o desempenho. Servidores de jogos deverão ter o /opt/ separado já que a maioria dos servidores de jogos são instalados lá. A razão é similar ao do diretório /home/: segurança e backups. Na maioria das situações, o /usr/ deve ser grande: ele não apenas ele irá conter a maioria das aplicações como também armazena o repositório ebuild do Gentoo (por default localizado em /usr/portage) que sozinho ocupa cerca de 650 MB. Essa estimativa de espaço em disco exclui ainda os diretórios packages/ e distfiles/ que geralmente são armazenados dentro desse repositório ebuild.

Depende muito do que o administrador pretende fazer. Partições ou volumes separados tem as seguintes vantagens:

  • Escolha o sistema de arquivos de maior desempenho para cada partição ou volume.
  • O sistema todo não ficará sem espaço se uma aplicação problemática encher todo o espaço de uma partição ou volume.
  • Se necessário, a checagem do sistema de arquivos fica com o tempo reduzido, pois várias checagens podem ser feitas em paralelo (embora essa vantagem é maior com múltiplos discos do que com múltiplas partições).
  • A segurança pode ser aumentada montando algumas partições ou volumes como somente leitura, nosuid (bits setuid são ignorados), noexec (bits de execução são ignorados) etc.

Contudo, múltiplas partições tem desvantagens também. Se não configurado corretamente, o sistema pode ficar com muito espaço livre em uma partição e nenhum em outra. Outro percalço é que partições separadas - especialmente para pontos de montagem importantes como /usr/ ou /var/ - frequentemente requerem que o administrador inicialize o sistema com um initramfs para montar a partição antes que outros scripts de inicialização executem. Esse não é sempre o caso, então os resultados podem variar.

Há também o limite de 15 partições para SCSI e SATA, a menos que sejam utilizadas etiquetas GPT.

E o espaço de swap?

Não existe um valor perfeito para a partição de swap. O propósito da partição de swap é prover armazenamento em disco ao kernel quando a memória interna (RAM) estiver acabando. Um espaço de swap permite ao kernel mover páginas de memória que provavelmente não serão necessárias tão logo para o disco (swap ou page-out), liberando memória. É claro que, se essa memória de repente for necessária, essas páginas precisam ser trazidas de volta para a memória (page-in) o que pode ser demorado (pois discos são muito lentos comparados com a memória interna).

Se o sistema não for executar aplicações que necessitem de muita memória ou se o sistema tiver uma grande quantidade de memória disponível, então provavelmente ele não vai precisar de muito espaço de swap. Porém, o espaço de swap é também usado para armazenar a memória inteira no caso de hibernação. Se o sistema for precisar de hibernação, então um espaço de swap maior será necessário, pelo menos do tamanho da memória RAM instalada no sistema.


O que é a partição de boot da BIOS?

A partição de boot da BIOS é uma partição muito pequena (de 1 a 2 MB) na qual os gerenciadores de inicialização como o GRUB2 podem gravar dados adicionais que não couberem no espaço alocado (umas poucas centenas de bytes no caso da MBR) e que não puderem ser colocados em outro lugar.

Tais partições nem sempre são necessárias mas, considerando o baixo consumo de espaço e a dificuldade que teríamos documentando a pletora de diferentes particionamentos caso não a criássemos, é recomendável criá-la de qualquer forma.

Para ficar claro, a partição de inicialização da BIOS é necessária quando o layout de partições GPT é usado com o GRUB2, ou quando o layout de partições MBR é usado com o GRUB2 e a primeira partição inicia antes do primeiro 1MB do disco.

Default: Usando parted para particionar o disco

Neste capítulo, o exemplo de layout de partições mencionado anteriormente será usado:

Partição Descrição
/dev/sda1 Partição de boot da BIOS
/dev/sda2 Partição de boot
/dev/sda3 Partição de swap
/dev/sda4 Partição root

Altere o layout de particionamento de acordo com suas preferências pessoais.

Visualizando o layout de particionamento atual com o parted

O programa parted oferece uma interface simples para o particionamento de discos e suporta partições bem grandes (mais de 2TB). Execute o parted no disco (em nosso exemplo, usamos /dev/sda). É recomendado solicitar ao parted para usar alinhamento de partições otimizado:

root #parted -a optimal /dev/sda
GNU Parted 2.3
Using /dev/sda
Welcome to GNU Parted! Type 'help' to view a list of commands.

Alinhamento significa que as partições iniciam em limites bem estabelecidos do disco, assegurando que as operações no disco do nível do sistema operacional (recuperar páginas de disco) usam a menor quantidade de operações internas de disco. Partições desalinhadas podem exigir que o disco busque duas páginas em vez de uma mesmo que o sistema operacional tenha solicitado apenas uma.

Para conhecer todas as opções suportadas pelo parted, digite help e tecle Return.

Configurando a etiqueta GPT

A maioria dos discos das arquiteturas x86 e amd64 são preparados usando etiquetas msdos. Usando o parted, o comando para colocar uma etiqueta GPT no disco é mklabel gpt:

Aviso
Trocar o tipo de partição irá remover todas as partições do disco. Todos os dados do disco serão perdidos.
(parted)mklabel gpt

Para que o disco use o layout MBR, use mklabel msdos.

Removendo todas as partições usando parted

Se isto ainda não foi feito (por exemplo, através da operação com o mklabel anteriormente, ou porque o disco foi recém formatado), primeiro remova todas as partições do disco. Tecle print para ver todas as partições existentes, e rm <N> onde N é o número da partição a ser removida.

(parted)rm 2

Faça o mesmo para todas as partições que não forem necessárias. Entretanto, certifique-se de não cometer nenhum erro aqui - o parted executa as mudanças imediatamente (ao contrário do fdisk que as armazena, permitindo ao usuário "desfazer" suas mudanças antes de salvar ou saindo do fdisk).

Criando as partições

Agora o parted será usado para criar as partições com as seguintes configurações:

  • O tipo da partição. Normalmente é primária ("primary"). Se a etiqueta de partição msdos for usada, tenha em mente que não podem ser criadas mais que 4 partições primárias. Se forem necessárias mais do que 4 partições, faça uma das 4 primeiras partições como estendida ("extended") e crie partições lógicas dentro dela.
  • A localização do início da partição (que pode ser expressa em MB, GB, ...)
  • A localização do fim da partição (que pode ser expressa em MB, GB, ...)

Primeiro, diga ao parted que a unidade que iremos trabalhar é megabytes (na verdade, mebibytes, abreviado como MiB que é a notação "padrão", mas usaremos MB no texto que é muito mais comum):

(parted)unit mib

Agora crie uma partição de 2 MB que será usada pelo gerenciador de boot GRUB2 mais tarde. Use o comando mkpart para isso e informe ao parted para iniciar em 1 MB e terminar em 3 MB (criando assim uma partição de 2 MB).

(parted)mkpart primary 1 3
(parted)name 1 grub
(parted)set 1 bios_grub on
(parted)print
Model: Virtio Block Device (virtblk)
Disk /dev/sda: 20480MiB
Sector size (logical/physical): 512B/512B
Partition Table: gpt
  
Number   Start      End      Size     File system  Name   Flags
 1       1.00MiB    3.00MiB  2.00MiB               grub   bios_grub

Faça o mesmo para a partição de boot (128 MB), partição de swap (512 MB, no exemplo) e partição root, que cobre o resto do disco (para a qual a localização do fim é marcada como -1, significando o fim do disco menos 1 MB, que é o mais distante que uma partição pode ir).

(parted)mkpart primary 3 131
(parted)name 2 boot
(parted)mkpart primary 131 643
(parted)name 3 swap
(parted)mkpart primary 643 -1
(parted)name 4 rootfs

Se usar a interface UEFI para inicializar o sistema (em vez da BIOS), marque a partição de boot como Partição de Sistema UEFI (UEFI System Partition). O parted faz isso automaticamente quando a opção "boot" é configurada em uma partição:

(parted)set 2 boot on

O resultado final se parecerá com:

(parted)print
Model: Virtio Block Device (virtblk)
Disk /dev/sda: 20480MiB
Sector size (logical/physical): 512B/512B
Partition Table: gpt
  
Number   Start      End      Size     File system  Name   Flags
 1       1.00MiB    3.00MiB  2.00MiB               grub   bios_grub
 2       3.00MiB    131MiB   128MiB                boot   boot
 3       131MiB     643MiB   512MiB                swap
 4       643MiB     20479MiB 19836MiB              rootfs
Nota
Em uma instalação UEFI, as sinalizações de boot e esp irão aparecer na partição de boot.

Use o comando quit para sair do parted.

Alternativa: Usando fdisk para particionar o disco

Nota
Apesar das versões recentes do fdisk suportarem GPT, ele ainda mostrou ter alguns problemas com ela. As instruções dadas abaixo assumem que o layout de partições utilizado é o MBR.

As partes seguintes explicam como criar o layout de partições de exemplo usando o fdisk. O layout de partições de exemplo foi mostrada anteriormente:

Partição Descrição
/dev/sda1 Partição de boot da BIOS
/dev/sda2 Partição de boot
/dev/sda3 Partição de swap
/dev/sda4 Partição de root

Altere o layout das partições de acordo com suas preferências pessoais.

Visualizando o layout de partições atual

O fdisk é uma ferramenta popular e poderosa para dividir um disco em partições. Dispare o fdisk no disco desejado (em nosso exemplo usamos o /dev/sda):

root #fdisk /dev/sda
Nota
Para usar o suporte GPT, adicione -t gpt. Recomenda-se prestar muita atenção à saída do fdisk no caso de novas versões do fdisk alterarem seu comportamento padrão de usar por default o MBR. O restante destas instruções assume um layout MBR.

Use a tecla p para exibir a configuração atual das partições do disco:

Command (m for help):p
Disk /dev/sda: 240 heads, 63 sectors, 2184 cylinders
Units = cylinders of 15120 * 512 bytes
  
   Device Boot    Start       End    Blocks   Id  System
/dev/sda1   *         1        14    105808+  83  Linux
/dev/sda2            15        49    264600   82  Linux swap
/dev/sda3            50        70    158760   83  Linux
/dev/sda4            71      2184  15981840    5  Extended
/dev/sda5            71       209   1050808+  83  Linux
/dev/sda6           210       348   1050808+  83  Linux
/dev/sda7           349       626   2101648+  83  Linux
/dev/sda8           627       904   2101648+  83  Linux
/dev/sda9           905      2184   9676768+  83  Linux

Esse disco em particular foi configurado para abrigar sete sistemas de arquivos Linux (cada uma com uma partição correspondente listada como "Linux) bem como uma partição de swap (listada como "Linux swap").

Removendo todas as partições com o fdisk

Primeiro remova todas as partições existentes do disco. Tecle d para apagar uma partição. Por exemplo, para apagar a partição /dev/sda1:

Command (m for help):d
Partition number (1-4): 1

A partição foi marcada para ser removida. Ela não vai aparecer na lista de partições (usando a tecla p), mas ela não será removida até que as mudanças sejam gravadas. Isso permite que o usuário aborte a operação no caso de algum erro - nesse caso, digite q imediatamente e tecle Enter e a partição não será apagada.

Tecle p repetidamente para ver a lista das partições e d e o número da partição para apagá-la. No final, a tabela de partições estará vazia:

Command (m for help):p
Disk /dev/sda: 30.0 GB, 30005821440 bytes
240 heads, 63 sectors/track, 3876 cylinders
Units = cylinders of 15120 * 512 = 7741440 bytes
  
Device Boot    Start       End    Blocks   Id  System

Agora que a tabela de partições na memória está vazia, estamos prontos para criar as partições.

Criando a partição de boot da BIOS

Primeiro crie uma partição de boot da BIOS bem pequena. Tecle n para criar uma nova partição, e p para selecionar partição primária, seguida da tecla 1 para selecionar a primeira partição primária. Quando perguntado pelo primeiro setor, certifique-se que comece em 2048 (o que é necessário para o gerenciador de boot) e tecle Enter. Quando perguntado pelo último setor, digite +2M para criar uma partição de 2 Mbytes de tamanho:

Nota
O início do setor em 2048 é uma segurança no caso do gerenciador de boot não detectar esta partição para seu uso.
Command (m for help):n
Command action
  e   extended
  p   primary partition (1-4)
p
Partition number (1-4): 1
First sector (64-10486533532, default 64): 2048
Last sector, +sectors +size{M,K,G} (4096-10486533532, default 10486533532): +2M

Marque a partição para a UEFI:

Command (m for help):t
Selected partition 1
Hex code (type L to list codes): 4
Changed system type of partition 1 to 4 (BIOS boot)
Nota
Usar UEFI com layout de partições MBR é desencorajado. Se for usado um sistema capaz de trabalhar com UEFI, use o layout GPT.

Criando a partição de boot

Agora crie uma pequena partição de boot. Tecle n para criar uma nova partição, e p para selecionar partição primária, seguida da tecla 2 para selecionar a segunda partição primária. Quando perguntado pelo primeiro setor, aceite o valor default teclando Enter. Quando perguntado pelo último setor, digite +128M para criar uma partição de 128 Mbytes de tamanho:

Command (m for help):n
Command action
  e   extended
  p   primary partition (1-4)
p
Partition number (1-4): 2
First sector (5198-10486533532, default 5198): (Hit enter)
Last sector, +sectors +size{M,K,G} (4096-10486533532, default 10486533532): +128M

Agora, pressionando p e Enter, a seguinte saída com as partições é mostrada:

Command (m for help):p
Disk /dev/sda: 30.0 GB, 30005821440 bytes
240 heads, 63 sectors/track, 3876 cylinders
Units = cylinders of 15120 * 512 = 7741440 bytes
  
   Device Boot    Start       End    Blocks   Id  System
/dev/sda1             1         3      5198+  ef  EFI (FAT-12/16/32)
/dev/sda2             3        14    105808+  83  Linux

Tecle a para alternar a sinalização de boot de uma partição e selecione 2. Depois de pressionar p novamente, note que um * é mostrado na coluna "Boot".

Criando a partição de swap

Para criar uma partição de swap tecle n para criar uma nova partição, e p para o fdisk criar uma partição primária. Então digite 3 para criar a terceira partição primária, /dev/sda3. Quando perguntado pelo primeiro setor, tecle Enter. Quando perguntado pelo último setor, digite +512M (ou qualquer outro tamanho necessário para área de swap) para criar uma partição de 512 MB de tamanho:

Depois de tudo feito, digite t para configurar o tipo da partição, 3 para selecionar a partição recém criada e então digite "82" para configurar o tipo da partição para "Linux Swap".

Criando a partição de root

Finalmente, para criar a partição root, tecle n para criar uma nova partição, e p para o fdisk criar uma partição primária. Então digite 4 para criar a quarta partição primária, /dev/sda4. Quando perguntado pelo primeiro setor, tecle Enter. Quando perguntado pelo último setor, tecle Enter para criar uma partição que ocupe o restante do espaço disponível do disco. Depois de completar esses passos, teclando p deve ser mostrada uma tabela de partições similar a esta:

Command (m for help):p
Disk /dev/sda: 30.0 GB, 30005821440 bytes
240 heads, 63 sectors/track, 3876 cylinders
Units = cylinders of 15120 * 512 = 7741440 bytes
  
   Device Boot    Start       End    Blocks   Id  System
/dev/sda1             1         3      5198+  ef  EFI (FAT-12/16/32)
/dev/sda2   *         3        14    105808+  83  Linux
/dev/sda3            15        81    506520   82  Linux swap
/dev/sda4            82      3876  28690200   83  Linux

Gravando o layout de partições

Para gravar o layout de partições e sair do fdisk, digite w.

Command (m for help):w

Com as partições criadas, é hora de criar sistemas de arquivos nelas.


Criando sistemas de arquivos

Introdução

Agora que as partições estão criadas, é hora de criar um sistema de arquivos nelas. Na próxima seção os diversos sistemas de arquivos suportados pelo Linux são descritos. Leitores que já souberem qual sistema de arquivos irão usar podem continuar em Criando um sistema de arquivos em uma partição.

Sistemas de arquivos

Vários tipos de sistemas de arquivos estão disponíveis. Alguns são considerados mais estáveis na arquitetura amd64 - é recomendado se informar sobre os sistemas de arquivos e o estado do suporte de cada um antes de selecionar algum mais experimental para partições importantes.

btrfs
Um sistema de arquivos de próxima geração que provê vários recursos avançados como instantâneos (snapshots), autocorreção através de checksums, compressão transparente, subvolumes e RAID integrado. Algumas poucas distribuições começaram a distribui-lo como uma opção integrada, mas não está ainda pronto para ambientes de produção. Relatos de corrupção de sistemas de arquivos ainda são comuns. Seus desenvolvedores pedem aos usuários que utilizem a última versão do kernel por segurança pois as versões mais antigas têm problemas conhecidos. Isso tem sido o caso por anos e ainda é cedo para dizer se alguma coisa mudou. Correções para problemas de corrupção de dados são raramente portadas para as versões mais antigas do kernel. Proceda com cuidado ao usar este sistema de arquivos!
ext2
É o sistema de arquivo mais testado e estável mas não possui metadados de journaling, o que significa que a checagem de rotina do sistema de arquivos ext2 na inicialização pode ser bem demorada. Existe atualmente uma considerável seleção de sistemas de arquivos com journaling de nova geração que podem ser checados por consistência muito rapidamente e são, assim, geralmente preferidos sobre seus correspondentes sem journaling. Sistemas de arquivos com journaling evitam grandes esperas quando o sistema é inicializado e o sistema de arquivos encontra-se inconsistente.
ext3
A versão do sistema de arquivos ext2 com journaling, possuindo metadados de journaling para rápida recuperação além de outros modos aperfeiçoados de journaling como journaling completo de dados e de dados ordenados. Usa um índice HTree que proporciona alto desempenho em quase todas as situações. Em resumo, o ext3 é um sistema de arquivos muito bom e confiável.
f2fs
O Sistema de Arquivos "Amigável a Flash" (Flash-Friendly File System) foi originalmente criado pela Samsung para uso com memória flash NAND. Ainda hoje (segundo trimestre de 2016), esse sistema de arquivos é considerado imaturo, mas é uma escolha decente quando o Gentoo estiver sendo instalado em cartões microSD, pendrives ou outro tipo de dispositivos baseados em flash.
ext4
Inicialmente criado como uma derivação do ext3, o ext4 traz novos recursos, melhorias de desempenho e remoção de limites de tamanhos com mudanças moderadas no formato em disco. Ele pode cobrir volumes de até 1 EB com limite de tamanho de arquivo de 16TB. Em vez da alocação em bloco de mapa de bits clássico do ext2/3 o ext4 usa extensões, o que melhora o desempenho com arquivos grandes e reduz a fragmentação. O ext4 também provê algorítmos de alocação de blocos mais sofisticados (alocação atrasada e alocação múltipla de blocos), dando ao driver do sistema de arquivos mais formas de otimizar o layout dos dados no disco. O ext4 é o sistema de arquivos recomendado para propósitos gerais e plataformas em geral.
JFS
Sistema de arquivos com journaling de alto desempenho da IBM. O JFS é um sistema de arquivos baseado em árvore B+ confiável e rápido, com bom desempenho em várias situações.
ReiserFS
Um sistema de arquivos baseado em árvore B+ que tem bom desempenho geral, especialmente quando trabalha com muitos arquivos pequenos ao custo de ciclos de CPU extras. O ReiserFS aparentemente está recebendo menos manutenção que os outros sistemas de arquivos.
XFS
Um sistema de arquivos com metadados de journaling que vem com um robusto conjunto de recursos e é otimizado para escalabilidade. O XFS parece ser menos tolerante a vários problemas de hardware.
vfat
Também conhecido como FAT32, é suportado pelo Linux mas não tem suporte para configurações de permissões. É mais utilizado para interoperabilidade com outros sistemas operacionais (principalmente o Microsoft Windows) mas é também uma necessidade para alguns sistemas de firmware (como o UEFI).
NTFS
Este sistema de arquivos com "Nova Tecnologia" ("New Technology Filesystem") é o principal sistema de arquivos do Microsoft Windows. Similar ao vfat descrito acima, ele não armazena permissões ou atributos estendidos necessários para correto funcionamento do BSD ou Linux e, assim, não pode ser usado como sistema de arquivos da partição raiz (root). Deve ser usado apenas para interoperabilidade com sistemas Microsoft Windows (ênfase no apenas).

Se usar o ext2, ext3 ou ext4 em uma partição pequena (menor que 8GB), então o sistema de arquivos deve ser criado com opções adequadas para reservar inodes suficientes. O programa mke2fs (mkfs.ext2) usa a configuração "bytes por inode" para calcular quantos inodes um sistema de arquivos deve ter. Em partições pequenas, é aconselhável aumentar o número de inodes calculado.

No ext2, isso pode ser feito com o comando a seguir:

root #mkfs.ext2 -T small /dev/<device>

No ext3 e ext4, acrescente a opção -j para habilitar o journaling:

root #mkfs.ext2 -j -T small /dev/<device>

Isso normalmente irá quadruplicar o número de inodes de um dado sistema de arquivos já que o número de "bytes por inode" é reduzido de um para cada 16kB para um para cada 4kB. Isso pode ser ajustado ainda mais fornecendo a relação:

root #mkfs.ext2 -i <ratio> /dev/<device>

Criando um sistema de arquivos em uma partição

Para criar um sistema de arquivos em uma partição ou volume, há utilitários disponíveis para o usuário para cada possível sistema de arquivos. Clique no nome do sistema de arquivo na tabela abaixo para informações adicionais para cada sistema de arquivo:

Sistema de arquivo Comando para criação Disponível no CD mínimo? Pacote
btrfs mkfs.btrfs Sim sys-fs/btrfs-progs
ext2 mkfs.ext2 Sim sys-fs/e2fsprogs
ext3 mkfs.ext3 Sim sys-fs/e2fsprogs
ext4 mkfs.ext4 Sim sys-fs/e2fsprogs
f2fs mkfs.f2fs Sim sys-fs/f2fs-tools
jfs mkfs.jfs Sim sys-fs/jfsutils
reiserfs mkfs.reiserfs Sim sys-fs/reiserfsprogs
xfs mkfs.xfs Sim sys-fs/xfsprogs
vfat mkfs.vfat Sim sys-fs/dosfstools
NTFS mkfs.ntfs Sim sys-fs/ntfs3g

Por exemplo, para ter a partição de boot (/dev/sda2) em ext2 e a partição root (/dev/sda4) em ext4 como usado no exemplo de estrutura de partições, o seguintes comandos seriam usados:

root #mkfs.ext2 /dev/sda2
root #mkfs.ext4 /dev/sda4

Agora crie os sistemas de arquivos nas partições recém criadas (ou volumes lógicos):

Ativando a partição de swap

mkswap é o comando que é utilizado para inicializar as partições de swap:

root #mkswap /dev/sda3

Para ativar a partição de swap, use swapon:

root #swapon /dev/sda3

Crie e ative o swap com os comandos mostrados acima.

Montando a partição root

Agora que as partições estão inicializadas e contém um sistema de arquivos, é hora de montar essas partições. Use o comando mount, mas não se esqueça de criar os diretórios de montagem necessários para cada partição criada. Como exemplo montaremos as partições root e boot:

root #mount /dev/sda4 /mnt/gentoo
root #mkdir /mnt/gentoo/boot
root #mount /dev/sda2 /mnt/gentoo/boot
Nota
Se o /tmp/ precisar ficar em uma partição separada, certifique-se de alterar suas permissões depois de montar:
root #chmod 1777 /mnt/gentoo/tmp
Isso também vale para o /var/tmp.

Mais tarde nestas instruções o sistema de arquivos proc (uma interface virtual com o kernel) e também outros pseudo sistemas de arquivos serão montados. Mas antes nós instalamos os arquivos de instalação do Gentoo.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Instalando um arquivo tar de stage

Ajustando a data e a hora

Antes de instalar o Gentoo, é uma boa ideia ter certeza que a data e hora estão configuradas corretamente. Um relógio mal configurado pode levar a resultados estranhos: sistemas de arquivos básicos devem se extraídos com datas precisas. De fato, devido a vários sites e serviços usando comunicações encriptadas (SSL/TLS), pode ser impossível fazer download dos arquivos de instalação se o relógio do sistema estiver muito atrasado!

Verifique a data e a hora atual executando o seguinte comando date:

root #date
Mon Oct  3 13:16:22 PDT 2016

Se a data/hora mostrada estiver errada, atualize-a usando um dos métodos abaixo.

Nota
Placas-mãe que não incluem um Relógio de tempo real (RTC) devem ser configuradas para automaticamente sincronizar o relógio do sistema com um servidor de tempo. Isto também vale para sistemas que "também" incluem um RTC, mas tem uma bateria com problema.

Automático

Mídias de instalação oficiais Gentoo incluem o comando ntpd (disponível através do pacote net-misc/ntp). Mídias oficiais incluem um arquivo de configuração apontando para servidores de horário ntp.org. Eles podem ser usados para sincronizar automaticamente o relógio do sistema para a hora UTC. Usar este método requer uma configuração de rede e pode não estar disponível em todas as arquiteturas.

Aviso
Sincronização automática de horário tem um preço. Ela irá revelar o endereço IP do sistema e informações relacionadas a rede para o servidor de horário (no caso do exemplo abaixo ntp.org). Usuários com preocupações de privacidade devem estar cientes disto "antes" de configurar o relógio do sistema usando o método abaixo.
root #ntpd -q -g

Manual

O comando date pode fazer também uma configuração manual do relógio do sistema. Use a sintaxe MMDDhhmmYYYY (Mês, Dia, hora, minuteo e Ano).

Hora UTC é recomendada para todos os sistemas Linux. Mais tarde durante a instalação um fuso horário irá ser definido. Isto irá modificar a exibição do relógio para o horário local.

Por exemplo, para ajustar a data para 3 de outubro de 2016, 13:16:

root #date 100313162016

Escolhendo um arquivo tar de stage

Multilib (32 e 64 bits)

Escolher um arquivo tar base para o sistema pode economizar uma considerável quantidade de tempo mais tarde no processo de instalação, especificamente quando for o momento de escolher o perfil do sistema. A seleção de um arquivo tar de stage irá impactar a futura configuração do sistema e pode evitar uma dor de cabeça ou duas mais tarde. O arquivo tar multilib usa bibliotecas de 64 bits quando possível e apenas as versões de 32 bits quando necessário para compatibilidade. Essa é uma excelente opção para a maioria das instalações pois provê grande flexibilidade para personalizações no futuro. Quem desejar que seu sistema seja capaz de trocar facilmente de perfil deve baixar o arquivo tar multilib para sua respectiva arquitetura de processador.

A maioria dos usuários não deve usar as opções de arquivos tar 'advanced'; elas são específicas para alguma configuração de software ou hardware.

No-multilib (64 bits puro)

Selecionar um arquivo tar no-multilib como base do sistema provê um completo ambiente de sistema operacional de 64 bits. Isso torna efetivamente a habilidade de se trocar para perfis multilib improvável, mas possível. Aqueles que estão iniciando com o Gentoo não devem escolher um arquivo tar no-multilib a menos que seja absolutamente necessário.

Aviso
Tome cuidado, migrar de um sistema não-multilib (no-multilib) para um multilib requer um excelente conhecimento do Gentoo e de suas ferramentas de baixo nível (isso pode fazer até nossos Desenvolvedores de ferramentas estremecerem um pouco). Não é uma tarefa para cardíacos e está além do escopo deste manual.

Baixando o arquivo tar do stage

Vá para o ponto de montagem do Gentoo onde o sistema de arquivos raiz está montado (provavelmente /mnt/gentoo):

root #cd /mnt/gentoo

Dependendo da mídia de instalação, a única ferramenta necessária para baixar o arquivo tar do stage é um navegador web.

Navegadores gráficos

Usuários usando ambientes com navegadores web gráficos não terão problema em copiar a URL do arquivo de stage da seção de download do site web principal. Apenas selecione a aba apropriada, clique com o botão da direita no link do arquivo de stage e então Copie o endereço do link (Firefox) ou Copie a localização do link (Chromium) para copiar o link para a área de transferência, então cole o link para a o utilitário de linha de comando wget para baixar o arquivo tar de stage:

root #wget <PASTED_STAGE_URL>

Navegadores de linha de comando

Usuários mais tradicionais ou 'das antigas', trabalhando exclusivamente com a linha de comando podem preferir o links, um navegador não gráfico baseado em menus. Para baixar o arquivo de stage, navegue até a lista de espelhos do Gentoo como abaixo:

root #links https://www.gentoo.org/downloads/mirrors/

Para usar um proxy HTTP com o links, passe a URL com a opção -http-proxy:

root #links -http-proxy servidor.proxy.com:8080 https://www.gentoo.org/download/mirrors/

Próximo ao links há também o navegador lynx. Assim como o links ele é um navegador não gráfico mas não baseado em menus.

root #lynx https://www.gentoo.org/downloads/mirrors/

Se for necessário definir um proxy, exporte as variáveis http_proxy e/ou ftp_proxy:

root #export http_proxy{{=}}"http://servidor.proxy.com:porta"
root #export ftp_proxy="http://servidor.proxy.com:porta"

Na lista de espelhos, selecione um espelho próximo. Normalmente os espelhos HTTP são suficientes, mas outros protocolos estão também disponíveis. Mova para o diretório releases/amd64/autobuilds/. Lá todos os arquivos de stage são mostrados (eles podem estar localizados dentro de subdiretórios nomeados segundo as sub-arquiteturas individuais). Selecione um e pressione d para baixar.

Depois que o download do arquivo de stage completar, é possível verificar a integridade e validar o conteúdo do arquivo tar de stage. Aqueles interessados em fazê-lo devem proceder à próxima seção.

Aqueles não interessados em verificar e validar o arquivo de stage podem fechar o navegador de linha de comando pressionando q e podem avançar diretamente para a seção Descompactando o arquivo tar de stage.

Verificando e validando

Assim como nos CDs mínimos de instalação, estão disponíveis arquivos adicionais para verificar e validar o arquivo de stage. Apesar desses passos poderem ser pulados, esses arquivos são providos para os usuários que se preocupam com a legitimidade dos arquivos baixados.

  • Um arquivo .CONTENTS que contém a lista de todos os arquivos contidos no arquivo tar do stage.
  • Um arquivo .DIGESTS que contém as somas de checagem do arquivo de stage, em diferentes algoritmos.
  • Um arquivo .DIGESTS.asc que, como o arquivo .DIGESTS, contém somas de checagem do arquivo de stage em diferentes algoritmos, mas também assinadas criptograficamente para validar que é provido pelo Projeto Gentoo.

Use o comando openssl e compare a saída com as somas de checagem providas pelos arquivos .DIGESTS ou .DIGESTS.asc.

Por exemplo, para validar a soma de checagem SHA512:

root #openssl dgst -r -sha512 stage3-amd64-<release>.tar.bz2

Outra forma é usar o comando sha512sum:

root #sha512sum stage3-amd64-<release>.tar.bz2

Para validar a soma de checagem Whirlpool:

root #openssl dgst -r -whirlpool stage3-amd64-<release>.tar.bz2

Compare a saída desses comandos com o valor registrado nos arquivos .DIGESTS(.asc). Os valores devem bater, senão o arquivo baixado pode estar corrompido (ou o arquivo .DIGESTS está).

Assim como com o arquivo ISO, é possível também verificar a assinatura criptográfica do arquivo .DIGESTS.asc usando o gpg para verificar que as somas de checagem não foram adulteradas.

root #gpg --verify stage3-amd64-<release>.tar.bz2.DIGESTS.asc

Desempacotando o arquivo tar de stage

Agora desempacote o stage baixado no sistema. Usamos o tar para isso:

root #tar xvjpf stage3-*.tar.bz2 --xattrs --numeric-owner

Certifique-se que as mesmas opções (xvjpf e --xattrs) são usadas. O x significa Extrair, o v para "Verboso", para mostrar o que acontece durante o processo de extração (opcional), o j para descompactar com o bzip2, o p para "preservar" permissões e o f para indicar que queremos extrair um arquivo ("file"), não a entrada padrão. --xattrs é para incluir os atributos estendidos armazenados no arquivo. Finalmente, --numeric-owner é usado para assegurar que os IDs de usuário e grupo dos arquivos sendo extraídos do arquivo tar permanecerão os mesmos que os pretendidos pela equipe de engenharia de lançamentos do Gentoo, mesmo que usuários aventureiros não estiverem usando a mídia de instalação oficial do Gentoo.

Agora que o arquivo de stage está instalado, continue com Configurando as opções de compilação.

Configurando as opções de compilação

Introdução

Para otimizar o Gentoo, é possível ajustar algumas variáveis que impactam o comportamento do Portage, o oficialmente suportado gerenciador de pacotes do Gentoo. Todas essas variáveis podem ser ajustadas como variáveis de ambiente (usando export) mas isso não é permanente. Para manter os ajustes, o Portage lê o arquivo /etc/portage/make.conf, que é um arquivo de configuração do Portage.

Nota
Uma listagem com comentários de todas as possíveis variáveis pode ser encontrada em /mnt/gentoo/usr/share/portage/config/make.conf.example. Para uma instalação com sucesso do Gentoo, apenas as variáveis mencionadas abaixo precisam ser ajustadas.

Use um editor (neste guia usamos o nano) para alterar as variáveis de otimização que iremos discutir a partir daqui.

root #nano -w /mnt/gentoo/etc/portage/make.conf

Olhando o arquivo make.conf.example fica óbvio como o arquivo deve ser estruturado: linhas de comentário iniciam com "#", outras linhas definem variáveis usando sintaxe VARIAVEL="conteúdo". Diversas dessas variáveis são discutidas a seguir.

CFLAGS e CXXFLAGS

As variáveis CFLAGS e CXXFLAGS definem as flags de otimização para os compiladores C e C++ GCC, respectivamente. Apesar de serem definidas globalmente aqui, para máximo desempenho seria necessário otimizar essas flags para cada programa separadamente. A razão disso é que cada programa é diferente. Entretanto, isso não é viável, por isso a definição dessas flags no arquivo make.conf.

No arquivo make.conf deve-se definir as flags de otimização que fariam o sistema mais responsivo de modo geral. Não coloque ajustes experimentais nessa variável; otimização demais pode fazer com que os programas comportem-se mal (abortem, ou ainda pior, funcionem mal).

Não iremos explicar todas as possíveis opções de otimização. Para compreender todas elas, leia o Manual Online do GCC ou as páginas info do gcc (info gcc -- funciona apenas em um sistema Linux já instalado). O arquivo make.conf.example em si também contém muitos exemplos e informação; não se esqueça de lê-lo também.

Um primeiro ajuste é a flag -march= ou -mtune=, que especifica o nome da arquitetura alvo. As possíveis opções estão descritas no arquivo make.conf.example (como comentários). Um valor comumente usado é "native", que diz ao compilador para selecionar a arquitetura do sistema atual (aquele no qual o Gentoo está sendo instalado).

Em segundo vem a flag -O (um O maiúsculo, não um zero), que especifica a flag da classe de otimização. Valores possíveis são "s" (para otimização por tamanho), 0 (zero - para nenhuma otimização), 1, 2 ou até 3 para flags de otimização para velocidade (cada classe tem as mesmas flags da anterior, mais algumas extras). -O2 é o padrão recomendado. Sabe-se que -O3 causa problemas se usada pelo sistema como um todo, então recomendamos ficar com -O2.

Uma flag de otimização popular é a -pipe (usa pipes em vez de arquivos temporários para comunicação entre os vários estágios da compilação). Ela não tem impacto no código gerado, mas usa mais memória. Em sistemas com pouca memória, o gcc pode ser morto. Nesse caso, não use essa flag.

Usar o -fomit-frame-pointer (que não mantém o ponteiro de frame em um registrador para funções que não precisam de um) pode ter sérias repercussões para depurar aplicações.

Se as variáveis CFLAGS e CXXFLAGS são definidas, combine as várias flags de otimização em uma string. Os valores default contidos no arquivo stage3 que é desempacotado devem ser adequados. Abaixo é apenas um exemplo:

CODE Exemplo de CFLAGS e CXXFLAGS variables
CFLAGS="-march=native -O2 -pipe"
# Use os mesmos valores para ambas variáveis
CXXFLAGS="${CFLAGS}"
Tip
Apesar do artigo Guia de otimização do GCC conter mais informação sobre como as várias opções de compilação podem afetar um sistema, o artigo Safe CFLAGS pode ser uma opção mais prática para iniciantes começarem a otimizar seus sistemas.

MAKEOPTS

A variável MAKEOPTS define quantas compilações paralelas podem ocorrer quando um pacote estiver sendo instalado. Uma boa escolha é o número de CPUs (ou núcleos de CPU) em um sistema mais um, porém essa regra nem sempre é perfeita.

CODE Exemplo de declaração de MAKEOPTS em make.conf
MAKEOPTS="-j2"

Preparar, acionar, vai!

Atualize o arquivo /mnt/gentoo/etc/portage/make.conf de acordo com suas preferências pessoais e grave (usuários do nano podem usar Ctrl+X).

Depois continue em Instalando o sistema básico do Gentoo.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Fazendo chroot

Opcional: Selecionando espelhos

Arquivos de distribuição

Para baixar o código fonte rapidamente é recomendado selecionar um espelho rápido. O portage procura no arquivo make.conf pela variável GENTOO_MIRRORS e usa os espelhos configurados lá. É possível navegar pela lista de espelhos do Gentoo e procurar um espelho (ou espelhos) que está perto da sua localização física (pois esses frequentemente são os mais rápidos). Entretanto, nós fornecemos uma boa ferramenta chamada mirrorselect que provê ao usuário uma boa interface para selecionar os espelhos necessários. Simplesmente navegue até os espelhos escolhidos e tecle Espaço para selecionar um ou mais espelhos.

root #mirrorselect -i -o >> /mnt/gentoo/etc/portage/make.conf

Repositório ebuild do Gentoo

Um segundo passo importante na seleção de espelhos é configurar o repositório ebuild do Gentoo através o arquivo /etc/portage/repos.conf/gentoo.conf. Esse arquivo contém as informações para sincronização necessárias para atualizar a árvore do Portage (a coleção de ebuilds e arquivos relacionados contendo toda a informação que o Portage precisa para baixar e instalar pacotes de software).

A configuração do repositório pode ser feita em alguns passos simples. Primeiro, se ele não existir, crie o diretório repos.conf:

root #mkdir /mnt/gentoo/etc/portage/repos.conf

Depois, copie o arquivo de configuração do repositório fornecido pelo Portage para o recém-criado diretório repos.conf:

root #cp /mnt/gentoo/usr/share/portage/config/repos.conf /mnt/gentoo/etc/portage/repos.conf/gentoo.conf

Dê uma olhada com um editor de textos ou usando o comando cat. O arquivo deve estar no formato .ini e se parecer com:

FILE /mnt/gentoo/etc/portage/repos.conf/gentoo.conf
[gentoo]
location = /usr/portage
sync-type = rsync
sync-uri = rsync://rsync.gentoo.org/gentoo-portage
auto-sync = yes

O valor da variável default sync-uri listada acima irá determinar a localização do espelho baseado em um esquema de rotação. Isso irá ajudar a diminuir o impacto do uso da infraestrutura do Gentoo e prover uma segurança no caso de um espelho específico ficar indisponível. É recomendável que a URI default seja mantida a menos que um espelho local privado do Portage seja usado.

Tip
Para os interessados, a especificação oficial da API de sincronização do plugin do Portage pode ser encontrada no Artigo sobre sincronização do projeto do Portage.

Copie as informações de DNS

Resta ainda uma coisa a ser feita antes de entrar no novo ambiente que é copiar sobre a informação de DNS em /etc/resolv.conf. Isso precisa ser feito para assegurar que a rede ainda funciona mesmo após entrar no novo ambiente. O /etc/resolv.conf contém os servidores de nomes da rede.

Para copiar essa informação, é recomendado passar a opção -L do comando cp. Isso assegura que, se o /etc/resolv.conf for um link simbólico, que o arquivo alvo é copiado em vez do link simbólico em si. De outra forma, no novo ambiente o link simbólico apontaria para um arquivo não existente (pois é muito provável que o alvo do link não estará disponível dentro do novo ambiente).

root #cp -L /etc/resolv.conf /mnt/gentoo/etc/

Montando os sistemas de arquivos necessários

Em alguns momentos, a raiz do Linux será alterada para a nova localidade. Para garantir que o novo ambiente funciona corretamente, alguns sistemas de arquivos precisam estar disponíveis lá também.

Os sistemas de arquivos que precisam estar disponíveis são:

  • /proc/ que é um pseudo sistema de arquivos (ele se parece com arquivos normais, mas na verdade é gerado "no voo") do qual o kernel do Linux expõe informação para o ambiente
  • /sys/ que é um pseudo sistema de arquivos, como o /proc/ o qual era para substituir, sendo mais estruturado que o /proc/
  • /dev/ é um sistema de arquivos normal, parcialmente gerenciadopelo gerenciador de dispositivos do Linux (normalmente o udev), que contém todos os arquivos de dispositivos

A localidade /proc/ será montada em /mnt/gentoo/proc/ enquanto as outras duas são montadas como "bind". Isso significa que, por exemplo, /mnt/gentoo/sys/ será, na verdade, /sys/ (sendo na verdade apenas um segundo ponto de entrada para o mesmo sistema de arquivos) enquanto /mnt/gentoo/proc/ é uma nova montagem ("instância", para usar o termo) do sistema de arquivo.

root #mount -t proc /proc /mnt/gentoo/proc
root #mount --rbind /sys /mnt/gentoo/sys
root #mount --make-rslave /mnt/gentoo/sys
root #mount --rbind /dev /mnt/gentoo/dev
root #mount --make-rslave /mnt/gentoo/dev
Nota
As operações --make-rslave são necessárias para o suporte ao systemd mais tarde na instalação.
Warning
When using non-Gentoo installation media, this might not be sufficient. Some distributions make /dev/shm a symbolic link to /run/shm/ which, after the chroot, becomes invalid. Making /dev/shm/ a proper tmpfs mount up front can fix this:
root #test -L /dev/shm && rm /dev/shm && mkdir /dev/shm
root #mount -t tmpfs -o nosuid,nodev,noexec shm /dev/shm

Also ensure that mode 1777 is set

root # chmod 1777 /dev/shm

Entrando no novo ambiente

Agora que todas as partições estão inicializadas e o ambiente base está instalado, é hora de entrar no novo ambiente de instalação fazendo chroot nele. Isso significa que a sessão irá alterar sua "raiz" (o diretório mais alto que pode ser acessado) do ambiente atual de instalação (CD de instalação ou outra mídia) para o sistema de instalação (as partições inicializadas). Por isso o nome "change root" (trocar a "raiz") ou "chroot".

O chroot é feito em três passos:

  1. A localização raiz é trocada de / (na mídia de instalação) para /mnt/gentoo/ (nas partições) usando o comando chroot
  2. Algumas configurações (aquelas em /etc/profile) são carregadas na memória usando o comando source
  3. O sinal de pronto é trocado para nos ajudar a lembrar que aquela sessão está dentro do ambiente chroot
root #chroot /mnt/gentoo /bin/bash
root #source /etc/profile
root #export PS1="(chroot) $PS1"

A partir deste ponto, todas as ações feitas afetam imediatamente o novo ambiente de instalação do Gentoo Linux. É claro que a instalação ainda está longe de ser concluída, sendo por isso que ainda temos algumas seções restantes!

Tip
If the Gentoo installation is interrupted anywhere after this point, it should be possible to 'resume' the installation at this step. There is no need to repartition the disks again! Simply mount the root partition and run the steps above starting with copying the DNS info to re-enter the working environment. This is also useful for fixing bootloader issues. More information can be found in the chroot article.

Montando a partição de boot

Agora que foi entrado no novo ambiente, é necessário criar e montar a partição /boot. Isso será importante para quando for o momento de compilar o kernel e instalar o gerenciador de boot:

root #mkdir /boot
root #mount /dev/sda2 /boot

Configurando o Portage

Instalando um instantâneo do repositório ebuild da web

O próximo passo é instalar um instantâneo do repositório principal do ebuild. O instantâneo contém uma coleção de arquivos que informa ao Portage sobre quais softwares estão disponíveis para instalação, quais perfis o administrador do sistema pode selecionar, ítens de notícias específicas de um pacote ou perfil etc.

O uso do comando emerge-webrsync é recomendado para os usuários que estão atrás de firewalls restritivos (porque ele usa os protocolos HTTP/FTP para baixar o instantâneo) e economiza banda de rede. Leitores que não tiverem restrições de rede ou de banda podem tranquilamente pular para a próxima seção.

Isso irá baixar o último instantâneo (que é liberado diariamente) de um dos espelhos do Gentoo e instalá-lo no sistema:

root #emerge-webrsync
Nota
Durante essa operação, o emerge-webrsync pode reclamar que o diretório /usr/portage/ não existe. Isso já é esperado e não é motivo para preocupação - a ferramenta irá criar o diretório.

A partir deste ponto, o Portage pode avisar que sejam executadas algumas atualizações recomendadas. Isso é porque alguns pacotes do sistema instalados através do arquivo stage podem ter novas versões disponíveis; o Portage fica sabendo dos novos pacotes através do instantâneo do repositório. As atualizações de pacotes podem ser ignoradas de forma segura por enquanto; as atualizações podem ser realizadas depois que a instalação do Gentoo estiver finalizada.

Opcional: Atualizando o repositório ebuild

É possível atualizar o repositório ebuild do Gentoo para a última versão. O comando emerge-webrsync anterior instalou um instantâneo do Portage bem recente (normalmente tão recente quanto 24 horas) de modo que este passo é totalmente opcional.

Supondo que há necessidade da última atualização dos pacotes (menos de 1 hora), use emerge --sync. Esse comando irá usar o protocolo rsync para atualizar o repositório ebuild do Gentoo (que foi baixada anteriormente através do emerge-webrsync) ao seu estado mais recente.

root #emerge --sync

Em terminais lentos, tais como alguns "framebuffers" ou consoles seriais, é recomendado usar a opção --quiet para agilizar o processo:

root #emerge --sync --quiet

Lendo itens de notícias

Quando o repositório ebuild do Gentoo é sincronizada com o sistema, o Portage pode mostrar ao usuário mensagens similares a seguinte:

CODE O Portage informando ao usuário sobre itens de notícias
 * IMPORTANT: 2 news items need reading for repository 'gentoo'.
 * Use eselect news to read news items.

Ítens de notícias foram criados para prover um meio de comunicação para enviar mensagens aos usuários através da árvore do portage. Para gerenciá-las, use eselect news. A aplicação eselect é uma aplicação do Gentoo que provê uma interface de gerenciamento comum voltada para alterações e operações. Nesse caso, o eselect é acionado para usar seu módulo news.

Para o módulo news, três operações são mais utilizadas:

  • Com list, é mostrada uma lista dos itens de notícias disponíveis
  • Com read, os itens de notícias podem ser lidos
  • Com purge, itens de notícias podem ser removidos depois de lidos e não forem ser mais relidos
root #eselect news list
root #eselect news read

Mais informações sobre o leitor de notícias estão disponíveis através de sua página de manual:

root #man news.eselect

Escolhendo o perfil correto

Um perfil (profile) é uma peça fundamental para qualquer sistema Gentoo. Não apenas ele especifica valores padrões para o USE, CFLAGS e outras variáveis importantes, ele também trava o sistema em um dado conjunto de versões de pacotes. Essas configurações são mantidas pelos desenvolvedores do Portage do Gentoo.

Você pode ver qual perfil o sistema está usando com o eselect, agora usando com o módulo profile:

root #eselect profile list
Available profile symlink targets:
  [1]   default/linux/amd64/13.0 *
  [2]   default/linux/amd64/13.0/desktop
  [3]   default/linux/amd64/13.0/desktop/gnome
  [4]   default/linux/amd64/13.0/desktop/kde
Nota
A saída do comando é apenas um exemplo e evolui com o tempo.

Como pode ser visto, há também subperfis de desktops disponíveis para algumas arquiteturas.

Depois de visualizar os perfis disponíveis para a arquitetura amd64, os usuários podem selecionar um perfil diferente para o sistema:

root #eselect profile set 2


No-multilib (não-multilib)

Para selecionar um ambiente 64 bits puro, sem aplicações ou bibliotecas de 32 bits, use um perfil no-multilib:

root #eselect profile list
Available profile symlink targets:
  [1]   default/linux/amd64/13.0 *
  [2]   default/linux/amd64/13.0/desktop
  [3]   default/linux/amd64/13.0/desktop/gnome
  [4]   default/linux/amd64/13.0/desktop/kde
  [5]   default/linux/amd64/13.0/no-multilib

Selecione o perfil no-multilib:

root #eselect profile set 5
root #eselect profile list
Available profile symlink targets:
  [1]   default/linux/amd64/13.0
  [2]   default/linux/amd64/13.0/desktop
  [3]   default/linux/amd64/13.0/desktop/gnome
  [4]   default/linux/amd64/13.0/desktop/kde
  [5]   default/linux/amd64/13.0/no-multilib *

systemd

Aqueles que desejarem o systemd como seu sistema de inicialização (init system), deve selecionar um perfil com systemd em alguma parte do nome do perfil:

root #eselect profile set default/linux/amd64/13.0/systemd
root #eselect profile list
Available profile symlink targets:
  [10]  default/linux/amd64/13.0/developer
  [11]  default/linux/amd64/13.0/no-multilib
  [12]  default/linux/amd64/13.0/systemd *
  [13]  default/linux/amd64/13.0/x32
  [14]  hardened/linux/amd64
Tip
Como podemos ver acima, nomes completos de perfis podem ser usados em vez do número associado ao perfil.


Nota
O subperfil developer (desenvolvedor) é específico para o desenvolvimento do Gentoo Linux e não é destinado para uso por usuários casuais.

Atualizando o conjunto @world

Neste ponto, se foi escolhido um novo perfil para o sistema, é interessante atualizar o conjunto @world de modo a estabelecer uma base para o novo perfil.

O passo seguinte é necessário para aqueles que selecionaram um perfil com systemd (uma vez que os arquivos tar de stage oficiais usam o OpenRC como sistema de inicialização default), mas é opcional para os outros perfis:

root #emerge --ask --update --deep --newuse @world
Tip
Se um perfil de ambiente completo de desktop foi selecionado, o tempo necessário para o processo de instalação pode ser bastante longo. Aqueles sem muito tempo para a instalação podem seguir a seguinte 'regra geral': quanto menor o nome do perfil, menos específico o conjunto @world; quanto menos específico o conjunto @world, menos pacotes o sistema irá requerer. Em outras palavras:
  • selecionar default/linux/amd64/13.0 irá requerer bem poucos pacotes para atualizar, enquanto
  • selecionar default/linux/amd64/13.0/desktop/gnome/systemd irá requerer muitos pacotes para a instalação uma vez que o sistema de inicialização será trocado do OpenRC para systemd e o ambiente de trabalho GNOME será instalado.

Configurando as variáveis USE

A USE é uma das mais poderosas variáveis que o Gentoo provê aos seus usuários. Muitos programas podem ser compilados com ou sem suporte para certos itens. Por exemplo, alguns programas podem ser compilados com suporte ao GTK+ ou ao QT. Outros podem ser compilados com ou sem suporte ao SSL. Alguns programas podem até ser compilados com suporte a framebuffer (svgalib) em vez de suporte ao X11 (X-server).

A maioria das distribuições compilam seus pacotes com o máximo possível de suporte, aumentando o tamanho dos programas e o tempo de carga, sem contar o enorme número de dependências. Com o Gentoo, os usuários podem definir com quais opções um pacote deve ser compilado. É aqui que a USE entra em cena.

Na variável USE os usuários definem palavras-chave que serão mapeadas em opções de compilação. Por exemplo, ssl irá compilar suporte ao SSL em programas que o suportam. -X irá remover suporte ao servidor X (note o sinal de menos na frente). gnome gtk -kde -qt5 irá compilar programas com suporte ao GNOME (e GTK+) mas não ao KDE (e Qt), fazendo o sistema ajustado para o GNOME (se a arquitetura o suportar).

Os padrões para as configurações USE estão armazenados nos arquivos make.defaults do perfil do Gentoo usado pelo sistema. O Gentoo usa um (complexo) sistema de herança para seus perfis, no qual ainda não nos aprofundamos neste estágio. O modo mais fácil de checar as configurações USE ativas é executar emerge --info e selecionar a linha que começa com USE:

root #emerge --info | grep ^USE
USE="X acl alsa amd64 berkdb bindist bzip2 cli cracklib crypt cxx dri ..."
Nota
O exemplo acima está truncado, a lista real das variáveis USE é muito, muito maior.

Uma descrição completa das flags USE disponíveis pode ser encontrada no sistema em /usr/portage/profiles/use.desc.

root #less /usr/portage/profiles/use.desc

Dentro do comando less, a rolagem pode ser feita usando as teclas e , e sair pressionando q.

Como exemplo, mostramos uma configuração USE para um sistema baseado no KDE com suporte a DVD, ALSA e gravação de CD:

root #nano -w /etc/portage/make.conf
FILE /etc/portage/make.confHabilitando USE para um sistema baseado em KDE com suporte a DVD, ALSA e gravação de CD
USE="-gtk -gnome qt5 kde dvd alsa cdr"

Quando a USE é definida em /etc/portage/make.conf ela é "adicionada" (ou "removida" se a flag iniciar com o sinal -) da lista padrão. Usuários que quiserem ignorar toda a configuração padrão USE e gerenciá-la completamente por conta devem iniciar a definição USE com -*:

FILE /etc/portage/make.confIgnorando as flags USE padrão
USE="-* X acl alsa ..."
Warning
Although possible, setting -* (as seen in the example above) is discouraged as carefully chosen USE flag defaults may be configured in some ebuilds to prevent conflicts and other errors.

Opcional: Usando systemd como o sistema init

O restante deste Manual do Gentoo foca no OpenRC (o sistema de init tradicional do Gentoo) como sistema de init default. Se for desejado o systemd ou se o leitor está planejando instalar o Gnome 3.8 ou mais recente (que requer o systemd), por favor consulte a página systemd. Ela contém instruções equivalentes às instruções nas seções seguintes deste Manual. Especificamente, ela irá guiar o leitor pelos vários comandos (systemctl) do sistema init e serviços específicos do systemd (tais como timedatectl, hostnamectl, etc) necessários a se obter um ambiente systemd funcional.

Note
Certain applications are heavily dependent on the GNOME software ecosystem and subsequently dependent on systemd. Readers who are unsure if the GNOME desktop environment will be used can migrate to a systemd profile later.

Fuso horário

Selecione o fuso horário para o sistema. Veja os fusos horários disponíveis em /usr/share/zoneinfo/, e então escreva-o no arquivo /etc/timezone.

root #ls /usr/share/zoneinfo

Suponha que o fuso horário escolhido seja Brazil/East:

root #echo "Brazil/East" > /etc/timezone

Por favor evite os fusos horários /usr/share/zoneinfo/Etc/GMT* pois seus nomes não correspondem aos fusos esperados. Por exemplo, GMT-8 é na verdade GMT+8.

A seguir, reconfigure o pacote sys-libs/timezone-data, o que irá atualizar o arquivo /etc/localtime para nós, baseado no /etc/timezone. O arquivo /etc/localtime é usado pela biblioteca C do sistema para saber em qual fuso horário o sistema está.

root #emerge --config sys-libs/timezone-data

Configurando locais

A maioria dos usuários irá querer usar apenas um ou dois locais em seus sistemas.

Locales specify not only the language that the user should use to interact with the system, but also what the rules are for sorting strings, displaying dates and times, etc.

Os locais que um sistema deve suportar devem ser entrados em /etc/locale.gen.

root #nano -w /etc/locale.gen

Os seguintes locais são um exemplo para se obter inglês (Estados Unidos) e alemão (Alemanha) com os correspondentes formatos de caracteres (como o UTF-8).

FILE /etc/locale.genHabilitando os locais US e DE com os formatos de caracteres apropriados
en_US ISO-8859-1
en_US.UTF-8 UTF-8
de_DE ISO-8859-1
de_DE.UTF-8 UTF-8
Aviso
Sugerimos fortemente usar pelo menos um local UTF-8 pois algumas aplicações podem requerê-lo.

O próximo passo é executar locale-gen. Isso irá regerar todos os locais especificados no arquivo /etc/locale.gen.

root #locale-gen

Para verificar que os locais selecionados estão agora disponíveis, execute locale -a.

Uma vez feito, é agora hora de ajustar a configuração geral de local do sistema. Novamente usamos o eselect para isso, agora com o módulo locale.

Com o eselect locale list, os alvos disponíveis são mostrados.

root #eselect locale list
Available targets for the LANG variable:
  [1] C
  [2] POSIX
  [3] en_US
  [4] en_US.iso88591
  [5] en_US.utf8
  [6] de_DE
  [7] de_DE.iso88591
  [8] de_DE.iso885915
  [9] de_DE.utf8
  [ ] (free form)

Com eselect locale set VALOR o local correto pode ser ajustado:

root #eselect locale set 9

Manualmente, isso pode ser conseguido através do arquivo /etc/env.d/02locale:

FILE /etc/env.d/02localeAjustando manualmente as definições de locais do sistema
LANG="de_DE.UTF-8"
LC_COLLATE="C"

Certifique-se que um local foi configurado, ou o sistema irá mostrar mensagens de aviso e erro durante a construção do kernel e outras implantações de software mais tarde na instalação.

Agora recarregue o ambiente:

root #env-update && source /etc/profile && export PS1="(chroot) $PS1"

Nós fizemos um Guia de localização completo para ajudar o usuário através do processo. Outro artigo interessante é o guia UTF-8 com informações muito específicas para habilitar o UTF-8 no sistema.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Instalando os fontes

O núcleo em torno do qual todas as distribuições são criadas é o kernel Linux. Ele é a camada entre os programas de usuários e o hardware do sistema. O Gentoo provê aos seus usuários diversos possíveis fontes do kernel. Uma listagem completa está disponível na Página de visão geral do kernel.

Para sistemas baseados em amd64 o Gentoo recomenda o pacote sys-kernel/gentoo-sources.

Escolha um fonte do kernel apropriado e instale-o usando o emerge:

root #emerge --ask sys-kernel/gentoo-sources

Isso irá instalar os fontes do kernel Linux em /usr/src/ no qual um link simbólico chamado linux estará apontando para o fonte do kernel instalado:

root #ls -l /usr/src/linux
lrwxrwxrwx    1 root   root    12 Oct 13 11:04 /usr/src/linux -> linux-3.16.5-gentoo

É chegada a hora de configurar e compilar os fontes do kernel. Há duas formas de se fazer isso:

  1. O kernel é manualmente configurado e compilado, ou
  2. é usada uma ferramenta chamada genkernel para automaticamente compilar e instalar o kernel Linux

Vamos explicar aqui a configuração manual como opção padrão por ser o melhor caminho para otimizar um ambiente.

Padrão: Configuração manual

Introdução

Configurar manualmente um kernel é geralmente visto como o procedimento mais difícil que um usuário Linux pode fazer. Nada mais falso -- depois de configurar algumas vezes o kernel ninguém irá se lembrar que era difícil.

Porém, uma coisa é verdade: é vital conhecer o sistema quando um kernel é configurado manualmente. A maioria das informações pode ser coletada fazendo emerge no sys-apps/pciutils que contém o comando lspci:

root #emerge --ask sys-apps/pciutils
Nota
Dentro do chroot, é seguro ignorar qualquer aviso da pcilib (como pcilib: cannot open /sys/bus/pci/devices) que o lspci possa emitir.

Uma outra fonte de informação do sistema é executar o lsmod para ver quais módulos do kernel o CD de instalação usa pois isso pode dar dicas sobre o que habilitar.

Agora vá para o diretório dos fontes do kernel e execute make menuconfig. Isso irá mostrar uma tela de configuração baseada em menus.

root #cd /usr/src/linux
root #make menuconfig

A configuração do kernel do Linux tem muitas, muitas seções. Vamos primeiro mostrar algumas opções que devem ser ativadas (ou senão o Gentoo não irá funcionar, ou não funcionar adequadamente sem alguns ajustes). Existe também o Guia de configuração do kernel do Gentoo no wiki do Gentoo que poderá também ajudar.

Ativando as opções necessárias

Certifique-se de que todos os drivers que forem vitais para a inicialização do sistema (tais como controladores SCSI etc) são compilados no kernel e não como módulos, ou senão o sistema não será capaz de inicializar completamente.

Em seguida selecione o tipo exato do processador. É também recomendado habilitar os recursos MCE (se disponíveis) de modo que os usuários possam ser notificados sobre quaisquer problemas de hardware. Em algumas arquiteturas (tais como a x86_64), esses erros não são impressos pelo dmesg, mas em /dev/mcelog. Isso requer o pacote app-admin/mcelog.

Selecione também Maintain a devtmpfs file system to mount at /dev assim os arquivos de dispositivos críticos estarão disponíveis logo durante o processo de inicialização (CONFIG_DEVTMPFS and CONFIG_DEVTMPFS_MOUNT):

KERNEL Habilitando suporte ao devtmpfs
Device Drivers --->
  Generic Driver Options --->
    [*] Maintain a devtmpfs filesystem to mount at /dev
    [ ]   Automount devtmpfs at /dev, after the kernel mounted the rootfs

Verifique se o suporte a discos SCSI foi ativado (CONFIG_BLK_DEV_SD):

KERNEL Habilitando suporte a discos SCSI
Device Drivers --->
   SCSI device support  --->
      <*> SCSI disk support

Vá agora para File Systems (Sistemas de Arquivos) e selecione suporte para os sistemas de arquivos que você usa. Não compile o sistema de arquivo que é usado como sistema de arquivo raiz como módulo, ou senão o sistema Gentoo não será capaz de montar a partição. Selecione também "Virtual memory" (Memória virtual) e "/proc file system" (sistema de arquivo /proc). Selecione uma ou mais das seguintes opções segundo as necessidades do sistema: (CONFIG_EXT2_FS, CONFIG_EXT3_FS, CONFIG_EXT4_FS, CONFIG_MSDOS_FS, CONFIG_VFAT_FS, CONFIG_PROC_FS, and CONFIG_TMPFS):

KERNEL Selecionando os sistemas de arquivos necessários
File systems --->
  <*> Second extended fs support
  <*> The Extended 3 (ext3) filesystem
  <*> The Extended 4 (ext4) filesystem
  <*> Reiserfs support
  <*> JFS filesystem support
  <*> XFS filesystem support
  <*> Btrfs filesystem support
  DOS/FAT/NT Filesystems  --->
   <*> MSDOS fs support
   <*> VFAT (Windows-95) fs support

  Pseudo Filesystems --->
    [*] /proc file system support
    [*] Tmpfs virtual memory file system support (former shm fs)

Se for usado PPPoE para conectar à Internet, ou um modem com discagem foi usado, então habilite as seguintes opções (CONFIG_PPP, CONFIG_PPP_ASYNC, e CONFIG_PPP_SYNC_TTY):

KERNEL Selecionando os drivers PPPoE necessários
Device Drivers --->
  Network device support --->
    <*> PPP (point-to-point protocol) support
    <*>   PPP support for async serial ports
    <*>   PPP support for sync tty ports

As duas opções de compactação não vão atrapalhar mas definitivamente não são necessárias, assim como a opção de PPP sobre Ethernet (PPP over Ethernet), que pode apenas ser usada pelo ppp quando configurado para usar PPPoE em modo kernel.

Não se esqueça de incluir suporte no kernel para as placas de rede (ethernet ou sem fio).

A maioria dos sistemas tem múltiplos núcleos à disposição, então é importante ativar a opção "Symmetric multi-processing support" (suporte a multi-processamento simétrico) (CONFIG_SMP):

KERNEL Ativando suporte a SMP
Processor type and features  --->
  [*] Symmetric multi-processing support
Nota
Em sistemas com vários núcleos, cada núcleo conta como um processador.

Se forem usados dispositivos de entrada USB (como teclado ou mouse) ou outros dispositivos USB, não se esqueça de habilitá-los também:

KERNEL Ativando suporte a dispositivos de entrada USB
Device Drivers --->
  HID support  --->
  -*- HID bus support
  <*>  Generic HID driver
  [*]  Battery level reporting for HID devices
     USB HID support --->
        <*> USB HID transport layer
  [*] USB support  --->
  <*>    xHCI HCD (USB 3.0) support
  <*>    EHCI HCD (USB 2.0) support
  <*>    OHCI HCD (USB 1.1) support


Configuração do kernel específica da arquitetura

Certifique-se de selecionar emulação de IA32 se programas de 32 bits devem ser suportados (multilib). O Gentoo irá instalar um sistema multilib (computação mista de 32 e 64 bits) por padrão, assim a menos que um perfil no-multilib seja usado, esta opção é requerida.

KERNEL Selecionando o tipo de processador e seus recursos
Processor type and features  --->
   [ ] Machine Check / overheating reporting 
   [ ]   Intel MCE Features
   [ ]   AMD MCE Features
  Processor family (AMD-Opteron/Athlon64)  --->
    ( ) Opteron/Athlon64/Hammer/K8
    ( ) Intel P4 / older Netburst based Xeon
    ( ) Core 2/newer Xeon
    ( ) Intel Atom
    ( ) Generic-x86-64
Executable file formats / Emulations  --->
   [*] IA32 Emulation

Habilite o suporte a partições GPT se foram usadas anteriormente durante o particionamento de discos:

KERNEL Enable support for GPT
-*- Enable the block layer --->
   Partition Types --->
      [*] Advanced partition selection
      [*] EFI GUID Partition support

Habilite o suporte básico à EFI e variáveis EFI no kernel Linux se a UEFI for usada para inicializar o sistema:

KERNEL Enable support for UEFI
Processor type and features  --->
    [*] EFI runtime service support 
    [*]   EFI stub support
    [*]     EFI mixed-mode support
 
Firmware Drivers  --->
    EFI (Extensible Firmware Interface) Support  --->
        <*> EFI Variable Support via sysfs

Compilando e instalando

Com a configuração terminada, é hora de compilar e instalar o kernel. Saia da configuração e inicie o processo de compilação:

root #make && make modules_install
Nota
É possível habilitar a compilação em paralelo usando make -jX onde X é o número de tarefas paralelas que o processo de compilação é permitido disparar. Isso é similar às instruções anteriores sobre o /etc/portage/make.conf, sobre a variável MAKEOPTS.

Quando o kernel terminar de compilar, copie a imagem do kernel para /boot/. Isso é feito pelo comando make install.

root #make install

Isso irá copiar a imagem do kernel em /boot/ com o arquivo System.map e o arquivo de configuração do kernel.


Opcional: Criando um initramfs

Em certos casos, é necessário construir um initramfs - um sistema inicial de arquivos em RAM. A razão mais comum é quando os locais importantes do sistema de arquivos (como /usr/ ou /var/) estão em partições separadas. Com um initramfs, essas partições podem ser montadas usando as ferramentas disponíveis dentro do initramfs.

Sem um initramfs, há um enorme risco de o sistema não inicializar correctamente porque as ferramentas que são responsáveis pela montagem dos sistemas de arquivos precisam de informação que reside nesses sistemas de arquivos. Um initramfs irá puxar os arquivos necessários em um arquivo que é usado logo após o kernel inicializa, mas antes que o controle é entregue para a ferramenta de init. Os scripts do initramfs, então, certificam-se de que as partições estejam devidamente montadas antes do sistema continuar a inicialização.

Para instalar um initramfs, primeiramente instale o pacote sys-kernel/genkernel, e em seguida, use-o para gerar um initramfs:

root #emerge --ask sys-kernel/genkernel
root #emerge genkernel
root #genkernel --install initramfs

Para habilitar suporte para recursos específicos no initramfs tais como lvm ou raid, adicione as opções apropriadas no genkernel. Veja genkernel --help para mais informação. No exemplo a seguir é habilitado o suporte para LVM e raid por software (mdadm):

root #genkernel --lvm --mdadm --install initramfs

O initramfs será armazenado em /boot/. O arquivo resultante pode ser encontrado listando os arquivos iniciando com "initramfs":

root #ls /boot/initramfs*

Continue agora com os Módulos do kernel

Alternativa: Usando o genkernel

Se a configuração manual parecer muito difícil, então é recomendado o uso do genkernel. Ele irá configurar e construir o kernel automaticamente.

O genkernel funciona configurando um kernel praticamente idêntico ao kernel do CD de instalação. Isso significa que quando o genkernel é usado para construir o kernel, o sistema geralmente irá detectar todo o hardware durante a inicialização, assim como o CD de instalação. Como o genkernel não necessita de nenhuma configuração manual, ele é a solução ideal para aqueles usuários que não se sintam confortáveis compilando seu próprio kernel.

Agora vamos ver como usar o genkernel. Primeiro faça emerge do pacote sys-kernel/genkernel:

root #emerge --ask sys-kernel/genkernel

Depois, edite o arquivo /etc/fstab de modo que a linha contendo o /boot/ como segundo campo tenha o primeiro campo apontando para o dispositivo correto. Se o exemplo de particionamento deste manual foi seguido, então o dispositivo é provavelmente o /dev/sda2 com o sistema de arquivo ext2. A linha completa se pareceria com:

root #nano -w /etc/fstab
FILE /etc/fstabConfigurando o ponto de montagem /boot
/dev/sda2	/boot	ext2	defaults	0 2
Nota
Mais adiante nesta instalação do Gentoo o /etc/fstab será configurado novamente. A configuração do /boot é necessária agora porque o aplicativo genkernel lê esse arquivo de configuração.

Agora, compile os fontes do kernel executando genkernel all. Note que, como genkernel all compila um kernel com suporte para quase todo tipo de hardware, a compilação pode demorar para terminar!

Nota
Se a partição de boot não usa ext2 ou ext3 como sistema de arquivos, pode ser necessário configurar manualmente o kernel usando genkernel --menuconfig all e adicionar suporte para esse sistema de arquivo em particular no kernel (não como módulo). Usuários de LVM2 provavelmente irão querer adicionar --lvm como argumento também.
root #genkernel all

Quando o genkernel terminar estarão criados um kernel, um conjunto completo de módulos e um ramdisk inicial (initrd). Usaremos o kernel e o initrd quando configurarmos o gerenciador de boot mais tarde neste documento. Anote os nomes do kernel e do initrd pois essas informações são utilizadas quando o arquivo de configuração do gerenciador de boot for editado. O initrd será executado imediatamente após o boot para fazer a autodetecção de hardware (como no CD de instalação) antes do sistema "real" inicializar.

root #ls /boot/kernel* /boot/initramfs*

Módulos do kernel

Configurando os módulos

Liste os módulos que precisam ser carregados automaticamente em /etc/conf.d/modules. Opções extras podem ser adicionadas aos módulos se necessárias.

Para visualizar todos os módulos disponíveis, execute o seguinte comando find. Não se esqueça de substituir "<kernel version>" pela versão do kernel recém compilada:

root #find /lib/modules/<kernel version>/ -type f -iname '*.o' -or -iname '*.ko' | less

Por exemplo, para carregar automaticamente o módulo 3c59x.ko (que é o driver para uma placa de rede específica da família 3Com), edite o arquivo /etc/conf.d/modules e digite o nome do módulo nele.

root #nano -w /etc/conf.d/modules
modules="3c59x"

Continue a instalação em Configurando o sistema.

Opcional: Instalando firmware

Alguns drivers requerem que firmware adicionais sejam instalados no sistema antes para funcionarem. Isso ocorre normalmente com interfaces de rede, especialmente as interfaces de rede sem fio. A maioria dos firmwares estão empacotados em sys-kernel/linux-firmware:

root #emerge --ask sys-kernel/linux-firmware




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Informação do sistema de arquivos

Sobre o fstab

No Linux todas as partições usadas pelo sistema devem ser listadas em /etc/fstab. Esse arquivo contém os pontos de montagem das partições (onde elas se encontram na estrutura do sistema de arquivos), como elas devem ser montadas, quais opções especiais (automáticas ou não, se os usuários podem montá-las ou não, etc.)

Criando o arquivo fstab

O arquivo /etc/fstab usa uma sintaxe do tipo tabela. Cada linha consiste de seis campos separados por espaço (espaço, tabulação ou ambos). Cada campo tem seu próprio significado:

  1. O primeiro campo mostra a partição a ser montada (o caminho para o arquivo de dispositivo);
  2. O segundo campo mostra o ponto de montagem no qual a partição deve ser montada;
  3. O terceiro campo mostra o tipo de sistema de arquivo usado pela partição;
  4. O quarto campo mostra as opções de montagem usadas pelo mount quando ele montar a partição. Como cada tipo de sistema de arquivos tem suas opções de montagem próprias, os usuários são encorajados a ler a página de manual do mount (man mount) para uma listagem completa. Opções múltiplas são separadas por vírgulas;
  5. O quinto campo é usado pelo dump para determinar se ele deve checar a necessidade de backup. É normalmente deixado como 0 (zero);
  6. O sexto campo é usado pelo fsck para determinar a ordem na qual os sistemas de arquivos devem ser checados se o sistema de arquivo foi desativado adequadamente. O sistema de arquivo raiz deve conter 1 enquanto os demais devem conter 2 (ou 0 se a checagem não for necessária).
Importante
O arquivo /etc/fstab default fornecido pelo Gentoo não é um arquivo fstab válido mas apenas um modelo.
root #nano -w /etc/fstab

No restante deste texto, usamos os arquivos de dispositivo de bloco /dev/sd* padrão como partição.

Filesystem labels and UUIDs

Both MBR (BIOS) and GPT include support for filesystem labels and filesystem UUIDs. These attributes can be defined in /etc/fstab as alternatives for the mount command to use when attempting to find and mount block devices. Filesystem labels and UUIDs are identified by the LABEL and UUID prefix and can be viewed with the blkid command:

root #blkid
Warning
If the filesystem inside a partition is wiped, then the filesystem label and the UUID values will be subsequently altered or removed.

Because of uniqueness, readers that are using an MBR-style partition table are recommended to use UUIDs over labels to define mountable volumes in /etc/fstab.

Nomes de partição e UUIDS

Usuários que tomaram a rota GPT tem um bocado de opções mais 'robustas' disponíveis para definir as partições em /etc/fstab. Nomes de partições e UUIDs podem ser usados em dispositivos formatados com GPT para identificar de forma única as partições dos dispositivos de bloco. Nomes e UUIDs podem ser rápida e facilmente visualizados no terminal executando o comando blkid:

root #blkid

Enquanto nem sempre é verdade para nomes. usar uma UUID para identificar uma partição em fstab provê uma garantia que o carregador de boot não irá se confundir quando procurar uma certa partição, mesmo se o dispositivo de arquivo de bloco mudar. Usando os velhos padrões de dispositivos de arquivo de bloco (/dev/sd*N) para definir partições em fstab é arriscado para sistemas que são reiniciados frequentemente e tem dispositivos de blocos SATA adicionados e removidos regularmente.

A nomeação de dispositivos de arquivo de bloco depende de um número de fatores (como por examplo em qual ordem os discos estão conectados ao sistema). Com isto em mente, a não ser que alguém tenha intenção de constantemente fornecer a ordem dos discos, usando os dispositivos de arquivos de bloco padrão e uma abordagem simples e direta.


Vamos dar uma olhada em como criar as opções para a partição /boot/. Isto é apenas um exemplo, e deve ser modificado de acordo com as decisões de particionamento feitas anteriormente na instalação. Em nosso exemplo de particionamento para amd64, o /boot/ é normalmente a partição /dev/sda2, com um sistema de arquivos ext2. Ela precisa ser checada durante o boot, então poderíamos escrever:

FILE /etc/fstabUma linha /boot de exemplo para /etc/fstab
/dev/sda2   /boot     ext2    defaults        0 2

Alguns usuários podem não querer sua partição /boot/ montada automaticamente para aumentar a segurança do sistema. Essas pessoas devem substituir defaults por noauto. Isso significa que esses usuários precisarão montar manualmente essa partição toda vez que precisarem usá-la.

Adicione regras que correspondam ao esquema de particionamento decidido anteriormente e acrescente regras para dispositivos como drives de CD-ROM e, é claro, se forem usadas outras partições ou drives, para esses também.

Abaixo é mostrado um exemplo mais elaborado de um arquivo /etc/fstab:


FILE /etc/fstabUm exemplo de /etc/fstab completo
/dev/sda2    /boot        ext2    defaults,noatime     0 2
/dev/sda3    none         swap    sw                   0 0
/dev/sda4    /            ext4    noatime              0 1
/dev/cdrom   /mnt/cdrom   auto    noauto,user          0 0

Quando auto é usado no terceiro campo, ele faz com que o comando mount tente reconhecer o tipo de sistema de arquivo. Isso é recomendado para mídias removíveis uma vez que podem ser formatadas com algum sistema de arquivo qualquer. A opção user no quarto campo faz possível a montagem do CD para usuários não root.

Para aumentar o desempenho, a maioria do usuários pode adicionar a opção de montagem noatime, o que resulta em um sistema mais rápido uma vez que a data e hora de acesso não são registrados (eles não são geralmente necessários). Isso também é recomendado para usuários de drives de estado sólido (SSD), que devem também habilitar a opção de montagem discard (apenas no ext4 e btrfs, por enquanto), que faz com que o comando TRIM funcione.

Certifique-se que o arquivo /etc/fstab está correto, salve-o e saia do editor para continuar.

Informação de rede

Informação de host e domínio

Uma das escolhas que o usuário deve fazer é dar nome ao seu PC. Isso parece bem fácil, mas muitos usuários têm dificuldades em encontrar um nome apropriado para seu PC com Linux. Para acelerar as coisas, saiba que essa decisão não é definitiva - ela pode ser alterada mais tarde. Nos exemplos abaixo, é usado o nome de host "tux" dentro do domínio "homenetwork".

root #nano -w /etc/conf.d/hostname
# Set the hostname variable to the selected host name
hostname="tux"

Em segundo lugar, se um nome de domínio for necessário, configure-o em /etc/conf.d/net. Isso apenas é necessário se seu ISP ou administrador de rede o disser, ou se a rede tiver um servidor DNS mas não um DHCP. Não se preocupe com nomes de DNS ou de domínios se o sistema usa DHCP para alocação dinâmica de endereços IP e configuração de rede.

Nota
O arquivo /etc/conf.d/net não existe por default, assim, ele deve ser criado.
root #nano -w /etc/conf.d/net
# Set the dns_domain_lo variable to the selected domain name
dns_domain_lo="homenetwork"
Nota
Se não for configurado o nome de domínio, os usuários irão ver a mensagem "This is hostname.(none)" em suas telas de login. Isso pode ser corrigido editando o arquivo /etc/issue e apagando a string .\O desse arquivo.

Se for necessário um domínio NIS (usuários que não souberem o que é isso, provavelmente não precisarão), defina também:

root #nano -w /etc/conf.d/net
# Set the nis_domain_lo variable to the selected NIS domain name
nis_domain_lo="my-nisdomain"
Nota
Para maiores informações sobre a configuração de DNS e NIS, por favor veja os exemplos fornecidos em /usr/share/doc/netifrc-*/net.example.bz2 que podem ser lidos usando o bzless. Pode também ser interessante instalar o pacote net-dns/openresolv para auxiliar a configuração de DNS/NIS.

Configurando a rede

Durante a instalação do Gentoo Linux, a rede já foi configurada. Porém, a configuração foi para o CD de instalação e não para o ambiente instalado. Agora a configuração de rede será feita para o sistema Gentoo Linux instalado.

Nota
Informações mais detalhadas sobre configuração de rede, incluindo tópicos avançados como bonding, bridging, 802.1Q VLANs e redes sem fio são cobertas na seção de Configuração de Rede no Gentoo.

Toda a configuração de rede está reunida no arquivo /etc/conf.d/net. Ele usa uma sintaxe direta mas talvez não muito intuitiva. Mas não tema, tudo está explicado abaixo. Um exemplo completamente comentado que cobre muitas configurações diferentes está disponível em /usr/share/doc/netifrc-*/net.example.bz2.

Primeiro instale o pacote net-misc/netifrc:

root #emerge --ask --noreplace net-misc/netifrc

O DHCP é usado por default. Para o DHCP funcionar, é necessário instalar um cliente DHCP. Isso é descrito adiante em Ferramentas do Sistema Necessárias.

Se a conexão de rede precisa ser configurada por causa de opções específicas do DHCP ou porque o DHCP não é utilizado, então edite /etc/conf.d/net:

root #nano -w /etc/conf.d/net

Configure ambas as variáveis config_eth0 e routes_eth0 para entrar com a informação de endereço IP e de roteamente:

Nota
É assumido que a interface de rede é chamada eth0. Isso, porém, é muito dependente do sistema. É recomendado assumir que a interface é nomeada da mesma forma que quando o sistema foi inicializado pela mídia de instalação se a mídia de instalação for razoavelmente recente. Mais informações podem ser encontradas em Nomes de Interface de Rede.
FILE /etc/conf.d/netStatic IP definition
config_eth0="192.168.0.2 netmask 255.255.255.0 brd 192.168.0.255"
routes_eth0="default via 192.168.0.1"

Para usar DHCP, defina config_eth0:

FILE /etc/conf.d/netDefinindo DHCP
config_eth0="dhcp"

Por favor veja os arquivos /usr/share/doc/netifrc-*/net.example.bz2 para uma lista de todas as opções disponíveis. Certifique-se de também ler a página de manual (man page) se opções específicas do DHCP precisarem ser configuradas.

Se o sistema tem várias interfaces de rede, então repita os passos acima para config_eth1, config_eth2, etc.

Agora salve a configuração e saia para continuar.

Iniciando automaticamente a rede durante o boot

Para que as interfaces de rede sejam ativadas durante o boot, elas precisam ser adicionadas no runlevel default.

root #cd /etc/init.d
root #ln -s net.lo net.eth0
root #rc-update add net.eth0 default

Se o sistema tem várias interfaces de rede, então os arquivos net.* precisam ser criados assim como fizemos com o net.eth0.

Se após a inicialização do sistema descobrirmos que o nome que usamos para a interface de rede (que está atualmente documentada como eth0) está errado, então execute os seguintes passos para corrigir isso:

  1. Corrija o arquivo /etc/conf.d/net com o nome correto da interface de rede (tal como enp3s0 em vez de eth0).
  2. Crie um novo link simbólico (como /etc/init.d/net.enp3s0).
  3. Remova o link simbólico antigo (rm /etc/init.d/net.eth0).
  4. Adicione o novo ao runlevel default.
  5. Remova o antigo usando rc-update del net.eth0 default.

O arquivo hosts

Agora informe ao Linux sobre seu ambiente de rede. Isso é definido no arquivo /etc/hosts e é utilizado na resolução de nomes de hosts em endereços IP para os hosts que não são resolvidos pelo servidor de nomes.

root #nano -w /etc/hosts
FILE /etc/hostsPreenchendo as informações de rede
# This defines the current system and must be set
127.0.0.1     tux.homenetwork tux localhost
  
# Optional definition of extra systems on the network
192.168.0.5   jenny.homenetwork jenny
192.168.0.6   benny.homenetwork benny

Salve e saia do editor para continuar.

Opcional: Fazendo o PCMCIA funcionar

Usuários de PCMCIA devem agora instalar o pacote sys-apps/pcmciautils.

root #emerge --ask sys-apps/pcmciautils

Informações do sistema

Senha do root

Configure a senha do root usando o comando passwd.

root #passwd

A conta de root é uma toda poderosa, então escolha uma senha forte. Depois uma conta de usuário comum será criada para operações diárias.

Configuração de início e boot

Gentoo (ao menos quando usa OpenRC) usa /etc/rc.conf para configurar os serviços, início, desligamento do sistema. Abra /etc/rc.conf e aproveite todos os comentários no arquivo. Reveja as configurações e mude onde for necessário.

root #nano -w /etc/rc.conf

Em seguida, abra /etc/conf.d/keymaps para manipular a configuração de teclado. Edite-o para configurar e escolher o teclado correto.

root #nano -w /etc/conf.d/keymaps

Tenha um cuidado especial com a variável keymap. Se o mapa de teclado errado for selecionado, resultados estranhos aparecerão durante a digitação.

Finalmente, edite /etc/conf.d/hwclock para definir as opções de relógio. Edite-o de acordo com suas preferências.

root #nano -w /etc/conf.d/hwclock

Se o relógio de hardware não estiver usando UTC é necessário incluir clock="local" no arquivo. Senão o sistema pode apresentar comportamento errático do relógio.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Sistema de log

Algumas ferramentas estão ausentes do arquivo stage3 porque diversos outros pacotes fornecem a mesma funcionalidade. Agora depende do usuário escolher quais instalar.

A primeira ferramente sobre a qual precisamos nos decidir é a que provê serviço de log para o sistema. Unix e Linux tem uma história excelente de capacidade de serviço de log - se necessário, tudo o que acontece no sistema pode ser logado nos arquivos de log. Isso acontece através do serviço de log.

O Gentoo oferece vários utilitários de logs do sistema. Entre eles estão incluídos:

  • app-admin/sysklogd - Oferece o conjunto tradicional de serviços de log do sistema. É o sistema de log default e funciona bem sem precisar de configuração, o que faz deste pacote uma boa opção para iniciantes.
  • app-admin/syslog-ng - Um sistema de log avançado. Requer configurações adicionais para qualquer coisa além de gerar log para um arquivo. Usuários mais avançados podem escolher este pacote baseados no seu potencial de registro de logs; porém, configurações adicionais são necessárias para qualquer tipo de registro inteligente de log.
  • app-admin/metalog - Um sistema de log altamente configurável.

Outros também estão disponíveis através do Portage - o número de pacotes aumenta diariamente.

Tip
If sysklogd or syslog-ng are going to be used, it is recommended to install and configure logrotate afterwards as those system loggers don't provide any rotation mechanism for the log files.

Para instalar o sistema de log de sua escolha, faça emerge dele e o adicione ao runlevel default usando rc-update. O exemplo a seguir instala o pacote app-admin/sysklogd.

root #emerge --ask app-admin/sysklogd
root #rc-update add sysklogd default

Opcional: Cron daemon

Em seguida o cron daemon. Embora ele seja opcional e não requerido em todo sistema, é prudente instalar um.

Um cron daemon executa comandos agendados. É muito útil se algum comando necessita ser executado regularmente (por exemplo, diária, semanal ou mensalmente).

O Gentoo oferece diversos crons daemons possíveis, incluindo o sys-process/bcron, o sys-process/dcron, o sys-process/fcron e o sys-process/cronie. Instalar um desses é similar a instalar o sistema de log. O exemplo abaixo usa o pacote sys-process/cronie:

root #emerge --ask sys-process/cronie
root #rc-update add cronie default

Se o dcron ou o fcron for usado, um comando adicional de inicialização precisa ser executado:

root #crontab /etc/crontab

Opcional: Indexação de arquivos

De modo a indexar o sistema de arquivos para obter a capacidade de localizar arquivos rapidamente, instale o pacote sys-apps/mlocate.

root #emerge --ask sys-apps/mlocate

Opcional: Acesso remoto

Para ser capaz de acessar o sistema remotamente após a instalação, adicione o script de inicialização sshd o runlevel default:

root #rc-update add sshd default

Se for necessário acesso ao console serial (o que é possível em caso de servidores remotos), descomente a seção de console serial em /etc/inittab:

root #nano -w /etc/inittab
# SERIAL CONSOLES
s0:12345:respawn:/sbin/agetty 9600 ttyS0 vt100
s1:12345:respawn:/sbin/agetty 9600 ttyS1 vt100

Ferramentas de sistemas de arquivos

Dependendo dos sistemas de arquivos usados, é necessário instalar os utilitários de sistemas de arquivos (para checagem da integridade do sistema de arquivos, criar sistemas de arquivos adicionais etc). Note que as ferramentas para gerenciar os sistemas de arquivos ext2, ext3 ou ext4 (sys-fs/e2fsprogs) já foram instaladas como parte conjunto @system.

A tabela seguinte lista as ferramentas para instalar se um dado sistema de arquivo for usado:

Sistema de arquivo Pacote
Ext2, 3 e 4 sys-fs/e2fsprogs
XFS sys-fs/xfsprogs
ReiserFS sys-fs/reiserfsprogs
JFS sys-fs/jfsutils
VFAT (FAT32, ...) sys-fs/dosfstools
Btrfs sys-fs/btrfs-progs
Tip
Para mais informações sobre sistemas de arquivos no Gentoo, veja o artigo Sistemas de Arquivos.

Utilitários de rede

Se não houver necessidade de nenhum utilitário adicional de rede, continue imediatamente na seção Configurando um gerenciador de boot.

Instalando um cliente DHCP

Importante
Embora opcional, a maioria dos usuários irá precisar de um cliente DHCP para usar o servidor DHCP em suas redes. Aproveite esta oportunidade para instalar um cliente DHCP. Se este passo for esquecido, o sistema pode não ser capaz de usar a rede tornando impossível baixar o cliente DHCP mais tarde.

De modo ao sistema automaticamente obter um endereço IP para uma ou mais interfaces usando os scripts netifrc, é necessário instalar um cliente DHCP. Recomendamos o uso do net-misc/dhcpcd embora muitos outros clientes DHCP estejam disponíveis no repositório do Gentoo:

root #emerge --ask net-misc/dhcpcd

Mais informações sobre o dhcpcd podem ser encontradas no artigo sobre o dhcpcd.

Opcional: Instalando um cliente PPPoE

Se for usado PPP para conexão à Internet, instale o pacote net-dialup/ppp:

root #emerge --ask net-dialup/ppp

Agora continue em Configurando o gerenciador de boot.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management



Selecionando um gerenciador de boot

Com o kernel do Linux configurado, as ferramentas do sistema instaladas e os arquivos de configuração editados, é hora de instalar a última parte importante de uma instalação Linux: o gerenciador de boot.

O gerenciador de boot é responsável por carregar o kernel do Linux no momento do boot - sem ele, o sistema não saberia como proceder quando fosse apertado o botão de ligar.

Para o amd64, documentamos como configurar o GRUB2 ou LILO para sistemas baseados em BIOS e o GRUB2 ou efibootmgr para sistemas UEFI.

Nesta seção do Manual foi feita uma separação entre "fazer o emerge" do pacote do carregador de boot e "instalar" um carregador de boot em um disco do sistema. Aqui o termo "emerge" será usado para solicitar ao Portage tornar o pacote de software disponível ao sistema. O termo "instalar" irá significar fazer a cópia dos arquivos do carregador de boot ou fisicamente modificar as seções apropriadas do drive de disco do sistema de maneira a tornar o carregador de boot "ativo e pronto para operação" no na próxima reinicialização.

Default: GRUB2

Anteriormente, o Gentoo Linux usava o que agora é chamado de "GRUB Legacy" como gerenciador de boot recomendado. Como o nome diz, o pacote antigo do GRUB não é mais mantido ativamente e foi substituido pelo GRUB2. Para mais informações sobre o GRUB Legacy, por favor consulte o artigo sobre o GRUB no Gentoo Wiki.

Por padrão, a maioria dos sistemas Gentoo agora tende a usar GRUB2 (encontrado no pacote sys-boot/grub), que é o sucessor direto do GRUB Legacy. Com nenhuma configuração adicional, o GRUB2 felizmente suporta sistemas mais antigos com BIOS ("pc"). Com um pouco de configuração, necessário antes da compilação, o GRUB2 pode suportar mais de meia dúzia de plataformas adicionais. Para mais informação, consulte a Seção de prerequisitos do artigo GRUB2.

Emerge

Quando usando um sistema de BIOS antiga que suporta apenas tabelas de partições MBR, nenhuma configuração adicional é necessária para emerge o GRUB:

root #emerge --ask --verbose sys-boot/grub:2

Uma nota para os usuários UEFI: executar o comando acima irá mostrar os valores GRUB_PLATFORMS habilitados antes de se fazer o emerge. Quando usarem sistemas UEFI, os usuários irão precisar ter certeza que GRUB_PLATFORMS="efi-64" está habilitado (como é o caso por padrão). Se isso não for necessário para a configuração, GRUB_PLATFORMS="efi-64" precisa ser adicionado ao arquivo /etc/portage/make.conf antes de fazer o emerge do GRUB2 para que este pacote seja compilado com a funcionalidade EFI:

root #echo 'GRUB_PLATFORMS="efi-64"' >> /etc/portage/make.conf
root #emerge --ask sys-boot/grub:2

Se por alguma razão foi feito emerge do GRUB2 sem habilitar GRUB_PLATFORMS="efi-64", a linha (como mostrada acima) pode ser adicionada ao make.conf e então as dependências do conjunto de pacotes world recalculadas passando-se as opções --update --newuse ao emerge:

root #emerge --ask --update --newuse --verbose sys-boot/grub:2

O software GRUB2 está agora adicionado ao sistema, mas não está instalado ainda.

Instale

Em seguida, instale os arquivos do GRUB2 necessários no diretório /boot/grub/ com o comando grub-install. Assumindo que o primeiro disco (aquele do qual o sistema dá boot) é /dev/sda, um dos seguintes comandos fará isso:

  • Se usar BIOS:
root #grub-install /dev/sda
  • Se usar UEFI:
Importante
Certifique-se que a partição do sistema EFI tenha sido montada antes de rodar o grub-install. É possível que o grub-install instale o arquivo do GRUB EFI (grubx64.efi) no diretório errado sem prover nenhuma indicação de que o diretório errado foi usado.
root #grub-install --target=x86_64-efi --efi-directory=/boot
Nota
Modifique a opção --efi-directory para o root da Partição de Sistema EFI. Isso é necessário se a partição /boot não foi formatada como vfat.

Alguns fabricantes de placas-mãe parecem suportar apenas o diretório /efi/boot/ como local para o arquivo .EFI na partição de Sistema EFI (ESP). Não custa copiar o arquivo grubx64.efi para essa localização de modo a ajudar o firmware da placa-mãe a localizar o arquivo executável do GRUB. Verifique se a partição ESP está montada antes de executar os comandos a seguir. Presumindo que a ESP está montada em /boot/efi (como sugerido anteriormente), execute:

root #mkdir -p /boot/efi/efi/boot
root #cp /boot/efi/efi/gentoo/grubx64.efi /boot/efi/efi/boot/bootx64.efi

This creates the default directory defined by the UEFI specification, and then copies the grubx64.efi file to the 'default' EFI file location defined by the same specification.

Configure

Em seguida, gere a configuração do GRUB2 baseada na configuração do usuário especificada no arquivo /etc/default/grub e nos scripts /etc/grub.d. Na maioria dos casos, nenhuma configuração é necessária pois o GRUB2 irá detectar automaticamente qual kernel dar boot (o mais recente disponível em /boot/) e qual é o sistema de arquivos raiz. É possível também acrescentar parâmetros para o kernel em /etc/default/grub usando a variável GRUB_CMDLINE_LINUX.

Para gerar a configuração final do GRUB2, execute o comando grub-mkconfig:

root #grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg
Generating grub.cfg ...
Found linux image: /boot/vmlinuz-3.16.5-gentoo
Found initrd image: /boot/initramfs-genkernel-amd64-3.16.5-gentoo
done

A saída do comando deve mostrar que pelo menos uma imagem do Linux foi encontrada, já que são necessárias para inicializar o sistema. Se foi criado um initramfs ou o genkernel foi usado para criar o kernel, a imagem correta do initrd deve ser detectada também. Se não for o caso, vá para o diretório /boot/ e cheque seu conteúdo usando ls. Se os arquivos estiverem realmente ausentes, retorne às instruções de configuração e instalação do kernel.

Tip
O utilitário os-prober pode ser usado em conjunto com o GRUB2 para detectar outros sistemas operacionais no drives conectados. Windows 7, 8.1, 10 e outras distribuições Linux são detectáveis. Quem desejar sistemas dual boot devem fazer emerge do pacote sys-boot/os-prober e então executar novamente o comando grub-mkconfig (como visto acima). Se problemas de detecção forem encontrados tenha certeza de ler o artigo GRUB2 inteiramente antes de procurar suporte da comunidade Gentoo.

Alternativa 1: LILO

Emerge

LILO, o LInuxLOader, é o mais testado e verdadeiro "cavalo puxador de arado" dos gerenciadores de boot. Entretanto, lhe faltam alguns recursos comparado ao GRUB. O LILO ainda é usado porque, em alguns sistemas, o GRUB não funciona e o LILO sim. É claro, ele também é usado porque algumas pessoas conhecem o LILO e querem continuar com ele. De qualquer forma, o Gentoo suporta ambos.

Instalar o LILO é muito fácil; apenas use o emerge.

root #emerge --ask sys-boot/lilo

Configure

Para configurar o LILO, primeiro crie o arquivo /etc/lilo.conf:

root #nano -w /etc/lilo.conf

No arquivo de configuração são usadas seções para fazer referência ao kernel inicializável. Certifique-se que os arquivos do kernel (com a versão do kernel) e os arquivos initramfs são conhecidos pois eles serão referenciados no arquivo de configuração.

Nota
Se o sistema de arquivo raiz for JFS, adicione uma linha append="ro" depois de cada item de boot uma vez que o JFS precisa refazer seu log antes de permitir a montagem com leitura e escrita.
FILE /etc/lilo.confExemplo de configuração do LILO
boot=/dev/sda             # Instala o LILO no MBR
prompt                    # Permite ao usuário selecionar outra opção de boot
timeout=50                # Espera 5 segundos antes de dar boot na seção default
default=gentoo            # Quando o tempo acabar, dê boot na seção "gentoo"
  
image=/boot/vmlinuz-3.16.5-gentoo
  label=gentoo            # Nome dado a esta seção
  read-only               # Inicie em modo somente de leitura. Não modifique!
  root=/dev/sda4          # Localização do sistema de arquivo raiz
  
image=/boot/vmlinuz-3.16.5-gentoo
  label=gentoo.rescue     # Nome dado a esta seção
  read-only               # Inicie em modo somente de leitura. Não modifique!
  root=/dev/sda4          # Localização do sistema de arquivo raiz
  append="init=/bin/bb"   # Execute o shell de recuperação estático do Gentoo
  
# As próximas duas linhas são para fazer boot duplo com um sistema Windows.
# Neste exemplo, o Windows está hospedado em /dev/sda6.
other=/dev/sda6
  label=windows
Nota
Se for usado um esquema de particionamento diferente e/ou imagem de kernel, ajuste de acordo.

Se um initramfs é necessário, mude a configuração fazendo referência a esse initramfs e dizendo ao initramfs onde o dispositivo real da partição root se encontra:

FILE /etc/lilo.confAdicionando informação do initramfs à entrada de boot
image=/boot/vmlinuz-3.16.5-gentoo
  label=gentoo
  read-only
  append="root=/dev/sda4"
  initrd=/boot/initramfs-genkernel-amd64-3.16.5-gentoo

Se opções adicionais precisarem ser passadas ao kernel, use uma declaração append. Por exemplo, para adicionar uma declaração video para habilitar o framebuffer:

FILE /etc/lilo.confAdicionando o parâmetro video às opções de boot
image=/boot/vmlinuz-3.16.5-gentoo
  label=gentoo
  read-only
  root=/dev/sda4
  append="video=uvesafb:mtrr,ywrap,1024x768-32@85"

Usuários que usaram o genkernel devem saber que seus kernels usam as mesmas opções de boot que o CD de instalação. Por exemplo, se for necessário suporte a dispositivos SCSI, adicione doscsi como uma opção do kernel.

Agora salve o arquivo e saia.

Instale

Para terminar, execute o /sbin/lilo de modo que o LILO possa aplicar as configurações em /etc/lilo.conf ao sistema (ou seja, instalar a si mesmo no disco). Tenha em mente que o /sbin/lilo deve ser executado cada vez que um novo kernel é instalado ou forem feitas mudanças no arquivo lilo.conf de modo a fazer o sistema dar boot se o nome de arquivo do kernel foi alterado.

root #/sbin/lilo

Alternativa 2: Usando o efibootmgr

Em sistemas baseados em UEFI, o firmware UEFI no sistema (ou seja, o gerenciador de boot primário) pode ser instruído diretamente para procurar entradas de boot UEFI. Tais sistemas não precisam de gerenciadores de boot adicionais (também conhecidos como secundários) tais como o GRUB2 para ajudar a inicializar o sistema. Dito isso, a razão para existirem gerenciadores de boot baseados em EFI tais como o GRUB2 é "estender" as funcionalidades dos sistemas UEFI durante o processo de boot. Usar o efibootmgr é na verdade para aqueles que desejam usar uma abordagem minimalista (e mais rígida) para dar boot no sistema; usar o GRUB2 (ver acima) é mais fácil para a maioria dos usuários porque oferece uma forma mais flexível de dar boot em sistemas UEFI.

Lembre-se que o pacote sys-boot/efibootmgr não é um gerenciador de boot, mas uma ferramenta para interagir com o firmware UEFI e atualizar suas configurações, assim o kernel Linux que foi previamente instalado pode ser inicializado com opções adicionais (se necessário), ou para permitir múltiplas entradas de boot. Essa interação é feita através das variáveis EFI (por isso a necessidade do suporte do kernel às variáveis EFI).

Certifique-se de ler completamente o artigo EFI stub kernel antes de continuar. O kernel deve ter habilitadas opções específicas para ser bootável pelo firmware UEFI do sistema. Pode ser necessário recompilar o kernel. É também uma boa ideia dar uma olhada no artigo sobre o efibootmgr.

Nota
Reiterando, o efibootmgr não é requerido para inicializar um sistema UEFI. O kernel do Linux pode (e é) inicializado imediatamente, e opções de linha de comando do kernel adicionais podem ser embutidas pelo kernel do Linux em si (existe uma configuração do kernel que permite ao usuário especificar os parâmetros de boot). Mesmo um initramfs pode ser feito parte do próprio kernel.

Aqueles que decidiram por seguir este caminho necessitam instalar o software:

root #emerge --ask sys-boot/efibootmgr

Depois, crie o diretório /boot/efi/boot/ e então copie o kernel nesse local, chamando-o bootx64.efi:

root #mkdir -p /boot/efi/boot
root #cp /boot/vmlinuz-* /boot/efi/boot/bootx64.efi

Depois, diga ao firmware UEFI que uma entrada de boot chamada "Gentoo" deve ser criada, que contém o pseudo kernel EFI recém instalado:

root #efibootmgr --create --disk /dev/sda --part 2 --label "Gentoo" --loader "\efi\boot\bootx64.efi"

Se um sistema de arquivo inicial em RAM (initramfs) deve ser usado, adicione a opção de boot apropriada para ele:

root #efibootmgr -c -d /dev/sda -p 2 -L "Gentoo" -l "\efi\boot\bootx64.efi" initrd='\initramfs-genkernel-amd64-3.16.5-gentoo'
Nota
O uso da \ como separador de diretórios é obrigatório quando usamos as definições UEFI.

Com essas alterações feitas, quando o sistema reiniciar, uma entrada de boot chamada "Gentoo" estará disponível.

Alternativa 3: Syslinux

O syslinux é mais uma alternativa de gerenciador de boot para a arquitetura amd64. Ele suporta MBR e, a partir da versão 6.00, suporta também boot EFI. Boot de rede (PXE) e outras opções menos conhecidas são também suportadas. Apenas do syslinux ser um gerenciador de boot popular para muitos usuários, ele não é suportado por este manual. Leitores podem encontrar informações para fazer emerge e instalar este gerenciador de boot no artigo Syslinux.


Reiniciando o sistema

Saia do ambiente chroot e desmonte todas as partições montadas. Então digite o comando mágico que dá início ao verdadeiro teste final: reboot.

root #exit
cdimage ~#cd
cdimage ~#umount -l /mnt/gentoo/dev{/shm,/pts,}
cdimage ~#umount -R /mnt/gentoo
cdimage ~#reboot

Claro, não esqueça de remover o CD de boot ou o sistema irá reinicializar pelo CD em vez do novo sistema Gentoo.

Uma vez reiniciado o sistema no ambiente recém-instalado finalize com Finalizando a instalação do Gentoo.




Other languages:
Deutsch • ‎English • ‎español • ‎français • ‎italiano • ‎日本語 • ‎한국어 • ‎Nederlands • ‎polski • ‎português do Brasil • ‎русский • ‎українська • ‎中文(中国大陆)‎
AMD64 Handbook
Installation
About the installation
Choosing the media
Configuring the network
Preparing the disks
Installing stage3
Installing base system
Configuring the kernel
Configuring the system
Installing tools
Configuring the bootloader
Finalizing
Working with Gentoo
Portage introduction
USE flags
Portage features
Initscript system
Environment variables
Working with Portage
Files and directories
Variables
Mixing software branches
Additional tools
Custom package repository
Advanced features
Network configuration
Getting started
Advanced configuration
Modular networking
Wireless
Adding functionality
Dynamic management


Administração de usuários

Adicionando um usuário para uso do dia-a-dia

Trabalhar como usuário root em um sistema Unix/Linux é perigoso e deve ser evitado o máximo possível. Assim, é muito recomendado adicionar um usuário para uso no dia-a-dia.

Os grupos que o usuário é membro definem quais atividades o usuário pode fazer. A tabela seguinte lista um número de grupos importantes:

Grupo Descrição
audio Ser capaz de acessar dispositivos de audio.
cdrom Ser capaz de acessar diretamente dispositivos óticos.
floppy Ser capaz de acessar drives de disquetes.
games Ser capaz de jogar jogos.
portage Ser capaz de acessar os recursos restritos do Portage.
usb Ser capaz de acessar dispositivos USB.
video Ser capaz de acessar dispositivos de captura de video ou usar aceleração de hardware.
wheel Ser capaz de usar su.

Por exemplo, para criar um usuário chamado larry que é membro dos grupos wheel, users, e audio, faça login como root (apenas o root pode criar usuários) e execute useradd:

Login:root
Password: (Enter the root password)
root #useradd -m -G users,wheel,audio -s /bin/bash larry
root #passwd larry
Password: (Enter the password for larry)
Re-enter password: (Re-enter the password to verify)

Se um usuário precisar realizar alguma tarefa como root, ele pode usar su - para ter temporariamente privilégios de root. Outra forma é usar o pacote sudo que é, se configurado corretamente, muito seguro.

Limpeza do disco

Removendo os arquivos tar

Com a instalação do sistema Gentoo terminada e o sistema reiniciado, se tudo deu certo, podemos agora remover do disco os arquivos tar stage3 baixados. Lembre-se que eles foram baixados no diretório /.

root #rm /stage3-*.tar.bz2*

Aonde ir a partir daqui

Documentação

Aonde ir a partir daqui? Quais são as opções agora? O que explorar primeiro? O Gentoo provê a seus usuários muitas possibilidades e também muitos recursos documentados (e outros nem tanto).

Definitivamente dê uma olhada na próxima parte do Manual do Gentoo entitulada Trabalhando com o Gentoo que explica como manter seu software atualizado, como instalar software adicional, o que são as USE flags, como o sistema init do Gentoo funciona, etc.

Além do manual, você também é encorajado a explorar outros cantos do Gentoo Wiki para encontrar documentação adicional provida pela comunidade. A equipe do wiki do Gentoo oferece também uma Visão geral da documentação que lista uma seleção de artigos encontrados aqui no wiki. Por exemplo, ela faz referência ao Guia de localização para fazer um sistema sentir-se mais em casa.

Gentoo online

Todos são, é claro, sempre benvindos em nossos Fóruns do Gentoo ou em um dos nossos muitos Canais IRC do Gentoo.

Temos também várias listas de discussão abertas a todos nossos usuários. Informação sobre como se inscrever está contida nessa página.

Aproveite sua instalação!




Warning: Display title "Gentoo Linux amd64 Handbook: Installing Gentoo" overrides earlier display title "Manual:AMD64/Completo/Instalação".